Publicidade

Estado de Minas

PF deflagra em Governador Valadares 3ª fase da Operação Mar de Lama

Cerca de 100 policiais federais, 66 policiais militares e 6 servidores da Controladoria-Geral da União cumprem 61 ordens judiciais em Governador Valadares, na Região do Rio Doce


postado em 19/05/2016 08:21 / atualizado em 19/05/2016 09:18

A Polícia Federal, com o apoio do Ministério Público de Minas Gerais, Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle e Polícia Militar de Minas Gerais, deflagrou nesta quinta-feira a terceira fase da Operação Mar de Lama "com o objetivo de dar continuidade à repressão aos diversos crimes contra a administração pública na cidade de Governador Valadares", no Vale do Rio Doce, em Minas Gerais.

Cerca de 100 policiais federais, 66 policiais militares e 6 servidores da Controladoria-Geral da União cumprem 61 ordens judiciais, sendo 5 de prisão preventiva, 15 de prisão temporária 21 de busca e apreensão e 3 de sequestros de bens imóveis, além de 17 suspensões do exercício de função pública. Essas suspensões atingem servidores públicos que atuam na Prefeitura e Câmara Municipal de Governador Valadares, no Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) e na Superintendência Regional do Incra em Minas Gerais. Os mandados estão sendo cumpridos em Belo Horizonte, Nova Lima e Governador Valadares.

Nesta terceira fase da Operação Mar de Lama estão sendo apurados os atos praticados no âmbito da competência da Justiça Estadual, que foram repassados pela Justiça Federal, informou a PF.

Os presos serão ouvidos na Delegacia da Polícia Federal e, posteriormente, encaminhados ao Presídio Regional de Governador Valadares.

Os autores, nas medidas de suas participações, responderão pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva, fraude à licitação, advocacia administrativa e de organização criminosa. As penas culminadas podem superar 700 anos de prisão.

Com Agência Estado

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade