Publicidade

Estado de Minas

Assembleia rejeita pedido de impeachment de Pimentel


postado em 20/04/2016 15:46 / atualizado em 20/04/2016 18:45

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais não aceitou o pedido de impeachment do governador Fernando Pimentel alegando  falta de fundamentos jurídicos. Um advogado de Brasília, Rodrigo Cleto Jorge, protocolou na segunda, dia 18 de abril, um pedido de afastamento do governador Fernando Pimentel (PT). No pedido, que vai se analisado pela área técnica do legislativo, ele cita três motivos para o impedimento, movimentação irregular de depósito judicial, contabilidade maquiada e propaganda mentirosa. Ele também anexou ao documento cópia do processo que analisa as contas da campanha do governador no Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

De acordo com a assessoria de comunicação da Assembleia Legislativa, o pedido foi protocolado no Centro de Atendimento ao Cidadão e enviado ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Adalclever Lopes (PMDB), da base aliada do governador. Adalclever é filho do deputado federal Mauro Lopes (PMDB), que era ministro do governo Dilma Rousseff, mas votou a favor do seu afastamento na Câmara dos Deputados.

A assessoria de imprensa do governador não quis comentar. O líder do governo, deputado Durval Angelo, disse que o pedido não foi recebido por Adalclever por  não ter fundamento jurídico. Segundo ele, o uso dos depósitos judiciais foi autorizado por uma lei e contou com o aval do Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Em relação aos outros argumentos, ele alega que além de não serem verdadeiros não configuram crime de responsabilidade. O deputado disse que o advogado é um militante anti-PT e que o pedido foi copiado do processo de impeachment aberto contra a presidente no Congresso Nacional. "Ele não teve nem trabalho de mudar o texto. Tem um parte que ele pede que o Senado produza provas para fundamentar o pedido". 


Publicidade