Publicidade

Estado de Minas

Aécio questiona se Dilma fracassou na política econômica

"Nem a competência do seu marqueteiro João Santana será capaz de reescrever a história", disse Aécio ao ressaltar que o governo Fernando Henrique recebeu uma taxa anual de inflação de 916% e entregou a 7%


postado em 03/10/2014 01:31 / atualizado em 03/10/2014 07:23

São Paulo - O candidato do PSDB Aécio Neves e Dilma Rousseff (PT) trocaram críticas em relação às condução da política econômica feita por seus partidos no governo federal, durante o debate da TV Globo. Aécio chamou de "pérola" a afirmação de Dilma de que a inflação está sobre controle e a questionou se ela fracassou na economia.

Dilma respondeu ter sido bem-sucedida em comparação aos governos tucanos, que segundo ela quebraram o país três vezes e colocaram o Brasil "de joelhos" ante o Fundo Monetário Internacional (FMI). "Vocês tiveram uma taxa de juros que bateu todos os recordes durante a gestão Armínio Fraga", disse Dilma sobre o economista que foi indicado por Aécio para assumir o Ministério da Fazenda em eventual governo.

"Nem a competência do seu marqueteiro João Santana será capaz de reescrever a história", rebateu Aécio ao ressaltar que o governo Fernando Henrique recebeu uma taxa anual de inflação de 916% e entregou a 7%. Sobre a taxa de 12% de inflação mencionada por Dilma, Aécio disse que foi um pico devido à imprevisibilidade gerada com a expectativa da eleição do presidente Lula.

Na tréplica, Dilma mudou de assunto. Disse a Aécio que outro exemplo de distorção feita pelos tucanos é a proposta de distribuir remédios gratuitamente. "Esse programa já existe, chama Farmácia Popular", afirmou Dilma.

Após o embate, Eduardo Jorge (PV) assumiu o púlpito e, antes de fazer sua pergunta, dirigiu-se à presidente para dizer que foi ele quem propôs primeiramente o programa Farmácia Popular.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade