Publicidade

Estado de Minas

Na reta final, Lula tenta atrair mais votos para Padilha


postado em 02/10/2014 15:01 / atualizado em 02/10/2014 15:56

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva continuou, nesta quinta-feira, 02, "sua maratona" para tentar alavancar a candidatura do candidato ao governo Alexandre Padilha (PT) e impulsionar a candidatura da presidente Dilma Rousseff. Em um discurso feito em frente a uma Unidade Básica de Saúde (UBS), no centro de Diadema, no Grande ABC, Lula voltou a exaltar as mudanças no País com os governos petistas e disparou: "não temos o direito de permitir que haja um retrocesso neste País".

O ex-presidente reconheceu que o PT tem defeitos e, sem citar os integrantes presos por causa do mensalão, defendeu a legenda. "O PT tem defeito? Tem. É como na casa da gente a gente tem três, quatro filhos e nem todos são iguais, tem um que é bonzinho, tem um que é mais capetinha", disse. Segundo Lula, o maior defeito do partido e o que incomoda os adversários "é que os pobres estão em ascensão social neste país", disse.

"A gente vai ter de dizer a verdade. Eles tentaram encurralar o PT", afirmou. Lula disse ainda que ninguém vai fazer o PT abaixar a cabeça e que ao longo de sua vida aprendeu a andar de cabeça erguida. "Aqueles no PT que erraram nós mesmos punimos eles, mas não podemos deixar de ter orgulho do PT", continuou.

Segundo Lula, a oposição não aceita o fato de seu governo ter sido melhor do que o anterior. "O que eles não aceitam, na verdade, é a ideia de que foi um operário metalúrgico que consertou o País que eles quebraram. Cade o FMI?", afirmou.

Caminhada

Sob garoa, Lula participou ao lado de Padilha de uma caminhada pelo centro de Diadema. No percurso, autografou bandeiras, vestiu um chapéu preto e comeu um pastel. Ainda hoje, Lula e Padilha cumprem agenda em São Miguel Paulista.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade