Publicidade

Estado de Minas

Para Skaf, Alckmin desacelerou o estado de São Paulo


postado em 15/09/2014 15:37 / atualizado em 15/09/2014 15:45

Candidato do PMDB ao governo, o empresário Paulo Skaf acusou o governador Geraldo Alckmin, que busca a reeleição pelo PSDB, de ter desacelerado o Estado. A afirmação foi feita nesta segunda-feira, 15, durante visita a uma aceleradora de empresas, na zona sul da capital. "Em seu governo, o Serra (José Serra, ex-governador) fez 36 ambulatórios médicos de especialidades. Aí entrou o Alckmin e se esperava que fizesse mais, mas ele só fez 16. Assim aconteceu com o metrô, as estradas e os investimentos na segurança pública, que caíram 30% entre 2010 e 2013. Ou seja, ele desacelerou o Estado."

Comentando pesquisa realizada na região do ABC, que mostra queda nas intenções de voto do tucano e crescimento na candidatura do PT e na sua, ele disse que o resultado reforça a possibilidade do segundo turno no Estado. Ele disse que o tucano está caindo, sem se referir ao crescimento do candidato petista Alexandre Padilha na região da pesquisa. Para Skaf, o tom mais agressivo usado pela campanha de seu principal adversário nos últimos dias é um sinal de preocupação. "Quando os adversários criticam é um sinal claro de que nós teremos segundo turno em São Paulo."

Skaf conversou com jovens empreendedores da Wayra, empresa ligada à Telefonica que dá suporte a 16 empreendedores da área digital. Um deles cobrou a redução de impostos e menos burocracia do Estado. O peemedebista ignorou o apelo por menos tributos e preferiu dizer que vai estimular as pesquisas e aproximar as empresas do mercado. "Pretendo trazer o governo de São Paulo para 2014. Quando visitamos instituições do Estado, como delegacia de polícia, temos a impressão de que estamos na década de 1980."

Contrapartida

Em entrevista ao jornal SPTV, na Rede Globo, o candidato do PMDB negou ser favorável à cobrança de mensalidade dos alunos de universidades públicas, como a Universidade de São Paulo (USP). Ele alegou ter defendido, em 2010, uma contrapartida dos alunos depois de formados. "Contrapartida é outra coisa. Como escola pública no Estado não funciona, quem ocupa as vagas da universidade pública, muitas vezes, são pessoas que estudam em escolas particulares." Segundo ele, se o estudante se forma médico, por exemplo, deveria poder prestar um serviço gratuito à comunidade. "É isso que foi discutido", lembrou.

A partir desta terça-feira, 16, a campanha do peemedebista volta a focar o interior. Skaf viaja para Guaratinguetá, Aparecida e Taubaté e, na quarta, 17, vai a São José dos Campos, no Vale do Paraíba. Quinta-feira, 18, a agenda será em cidades do litoral norte. Já na sexta-feira, 19, está prevista agenda em Jundiaí, região de Campinas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade