Publicidade

Estado de Minas

Aécio eleva o tom e acusa Marina de plagiar programa de FHC

O candidato a presidente da República, Aécio Neves, afirma que lutará "até o último instante"


postado em 03/09/2014 00:12 / atualizado em 03/09/2014 07:08

"O que eu vejo é uma candidatura que mais se assemelha a uma metamorfose ambulante, que altera suas convicções ao sabor das circunstâncias" - Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência da República, ao lado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (foto: Orlando Brito/Coligação Muda Brasil)

O candidato do PSDB a presidente da República, senador Aécio Neves, reafirmou nessa terça-feira a sua candidatura ao Palácio do Planalto e a confiança de que estará no segundo turno das eleições – embora pesquisas de opinião o coloquem atualmente em terceiro lugar na disputa. Ao lado das principais lideranças do PSDB, o tucano desmentiu boatos de que renunciaria e aproveitou para fazer fortes críticas à ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, que disputa as eleições pelo PSB. Definiu Marina como uma “metamorfose ambulante” e ainda a acusou de plagiar o Programa Nacional de Direitos Humanos lançado em 2002 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Em um dia nervoso na campanha eleitoral, também o PT partiu para o ataque contra a candidata do PSB. A presidente Dilma Rousseff (PT), o ex-presidente Lula e líderes do partido fizeram um movimento orquestrado de críticas a Marina.

No início da noite dessa terça-feira, o tucano convocou uma coletiva à imprensa para dizer que vai “lutar até o último instante” e para distribuir um documento com o programa de governo divulgado na semana passada pelo PSB e que teria trechos idênticos ao plano de FHC. Aécio Neves falou sobre o assunto ao lado de FHC, que compareceu à coletiva com o intuito de reafirmar a candidatura do PSDB. “Talvez o senhor não saiba, presidente, que o capítulo dos direitos humanos da candidata Marina, do programa de governo, é uma cópia fiel do PNCH apresentado pelo seu governo em 2002”, disse o tucano.

Aécio Neves ressaltou que Marina Silva foi filiada ao PT – inclusive comandando o Ministério do Meio Ambiente durante a gestão de Lula – e que não é possível saber se a adversária “amanhã terá o mesmo pensamento de ontem ou de anteontem”. Ainda afirmou que a candidata que agora elogia Fernando Henrique (ela tem dito que valoriza as políticas econômicas dele), no passado votou contra o Plano Real e a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) quando ocupou uma cadeira no Senado pelo PT do Acre.

Ao classificar Marina Silva como uma “metamorfose ambulante”, o tucano disse que “o eleitor precisa saber em que Marina ele vai votar. Na que hoje ataca o PT ou na que fez sua trajetória no partido”, e completou que a adversária não tem um “time” para governar. Sobrou também para a presidente Dilma, que tenta a reeleição. “O improviso nunca é o melhor conselheiro e as duas candidatas mostram que alteram suas convicções ao sabor dos ventos”, argumentou. “Estamos vendo, de um lado, um governo que reage aos índices das pesquisas alterando suas convicções, o que não é bom – age até com certo desespero – e que vai perder as eleições. E, do outro lado, o que eu vejo é uma candidatura que mais se assemelha a uma metamorfose ambulante, que altera suas convicções ao sabor das circunstâncias.”

Aécio Neves lembrou que, em seu programa de governo, Marina Silva já recuou em pontos relativos à defesa dos direitos da comunidade LGBT e à criminalização da homofobia. Questionado sobre os temas, Aécio disse que a discriminação a homossexuais deve ser tratada como crime, e que o casamento entre pessoas do mesmo sexo já é uma realidade garantida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e que, portanto, não é assunto para discussão.

Sobre as declarações do coordenador-geral da campanha, senador José Agripino (DEM-RN), de que apoiaria Marina no segundo turno, Aécio Neves disse que foi uma “forma equivocada” de ele se expressar e que ambos já trataram do assunto por telefone. Agripino não participou da coletiva. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez um discurso a favor de Aécio Neves para reafirmar seu apoio ao candidato e minimizou os números das pesquisa eleitorais. “Já vi muito sobe e desce em campanha”, disse. Em críticas veladas a Marina Silva, FHC ponderou que a população deve saber que nenhum presidente vai governar sozinho. “É preciso ter um mapa para caminhar. E esse mapa não se faz só com ideias”, disse.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade