Publicidade

Estado de Minas

Aécio Neves promete investir contra a desigualdade no Nordeste

Candidato do PSDB à Presidência prepara proposta de desenvolvimento, com normas tributárias específicas para atrair negócios e reduzir a pobreza na região


postado em 01/08/2014 06:00 / atualizado em 01/08/2014 07:15

Aécio entre Anastasia e Pimenta, durante a inauguração do comitê central de sua campanha, em Belo Horizonte, que reuniu centenas de militantes(foto: Mariela Guimarães / Nitro)
Aécio entre Anastasia e Pimenta, durante a inauguração do comitê central de sua campanha, em Belo Horizonte, que reuniu centenas de militantes (foto: Mariela Guimarães / Nitro)

O candidato à Presidência da República pelo PSDB, senador Aécio Neves, indicou ontem que, se eleito, vai governar com atenção especial para os pobres. Segundo ele, a base de uma proposta de investimentos no Nordeste será apresentada na semana de 12 de agosto, quando o tucano faz peregrinação pelos estados da região. “Levaremos o exemplo do que fizemos em Minas Gerais, onde, ao final do nosso mandato, tínhamos gasto três vezes mais per capita na região mais pobre de Minas do que nas áreas mais ricas”, afirmou o tucano, emendando que só é possível diminuir as desigualdades “tratando os desiguais de forma desigual”.

Ao inaugurar o comitê central de sua campanha ontem, em Belo Horizonte, o presidenciável disse estar preparando um choque de investimentos no Nordeste, usando para isto “regras tributárias específicas”. O tucano voltou a falar na redução do número de ministérios em um eventual governo tucano, mas continuou se negando a dizer quais pastas pretende extinguir. Usando dados de uma pesquisa internacional, Aécio disse considerar 22 ou 23 um número bom de ministérios. “Quero diminuir os ministérios e os cargos de livre nomeação e fazer com que o governo federal funcione, porque, hoje. o governo não ajuda e começa já a atrapalhar a vida de quem quer empreender no Brasil”, afirmou.

Tratado pelos aliados de Juscelino Kubitschek do século 21, Aécio disse que fará, nos próximos 20 dias, um roteiro que o levará a pelo menos 20 estados e fez um apelo ao cabos eleitorais mineiros para que convençam indecisos e mudem a seu favor votos “equivocados”.


O tucano dividiu o palanque com o candidato tucano ao governo de Minas, Pimenta da Veiga, o vice na chapa, Dinis Pinheiro (PP), e o ex-governador, que agora concorre ao Senado, Antonio Anastasia, além do governador Alberto Pinto Coelho (PP). Também presente no evento, Maria Estela Kubitschek , filha do ex-presidente Juscelino, leu carta levando a Aécio o apoio de toda a família. Segundo ela, JK conquistou a Presidência da República com a idade do tucano, a quem tratou por futuro presidente.

Militância

O PSDB reuniu centenas de militantes com bandeiras tucanas na Avenida Augusto de Lima, onde preparou um carro de som e um telão para que as pessoas na rua dissessem o que esperam de um novo Brasil. Na hora do almoço, o jingle de Aécio ficou alertando para a presença do candidato, enquanto a juventude do partido e o tucanafro faziam batucada em uma das esquinas movimentadas do Centro de Belo Horizonte.


Pimenta, Dinis e Anastasia desceram a Rua da Bahia até entrar no comitê, onde Aécio procurou vincular sua campanha à sucessão estadual. “Se nós já fizemos tanta coisa em Minas Gerais, tendo um presidente de oposição, imagina se vencermos eleições presidenciais, com o conhecimento que tenho da realidade de Minas Gerais, os avanços que poderemos trazer para o estado”, afirmou. Antes, os aliados trataram de reforçar a campanha do presidenciável no estado. “Tenho certeza que o grito que ecoa de Minas, que é o grito de Aécio presidente, vai se espalhar pelo Brasil. Com Pimenta governador, vamos rumo à vitória”, afirmou Anastasia.

Pimenta

Ao comentar o resultado das últimas pesquisas em Minas, que colocam o candidato lançado por ele praticamente empatado com o adversário do PT, o ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, Aécio disse acreditar que no próximo levantamento Pimenta estará liderando. “Sempre acreditei na vitória do Pimenta, ele é consistente, não é um candidato de bravatas, é um candidato que tem história e representa a continuidade de um trabalho extremamente sério”, afirmou. Pimenta da Veiga retribuiu, inflando a campanha do senador. “Aqui está nascendo um movimento político que vai ganhar o Brasil inteiro e resultar na eleição e vitória de Aécio Neves presidente”, afirmou.


Anastasia disse que a avaliação negativa do governo federal e a positiva da gestão estadual devem influenciar o eleitor, ajudando a candidatura de Pimenta. O ex-governador lembrou, que nesta fase da campanha estava atrás nas pesquisas e ressaltou o fato de o desempenho do atual candidato do PSDB ter melhorado antes mesmo de começarem as propagandas de televisão.


Mais cedo, Pimenta da Veiga fez caminhada pelo Barreiro, onde conversou com comerciantes e falou mais uma vez sobre o crescimento da inflação no país. “Há muitos empreendimentos, muitas empresas, desde as muito grandes até pequenas empresas. E todas são prejudicadas pela inflação que, infelizmente, está dando sinais de uma rápida elevação, e isso depende do governo federal. O remédio que estamos apontando para isso é mudar o eixo do país, através da liderança de Aécio Neves”, afirmou.

Prefeitos no alvo

O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, afirmou ontem que, em um eventual governo, teria como prioridade aumentar em cerca de dois pontos porcentuais o repasse da União ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para “tirar da falência os serviços públicos brasileiros dos municípios”. A uma plateia formada por prefeitos em evento na capital gaúcha, ele garantiu que há recursos para tornar o pacto federativo brasileiro mais justo e eficiente e criticou a política de desonerações do atual governo, como no caso do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que, segundo ele, não dá mais resultado e, de quebra, acaba gerando diminuição dos repasses às cidades.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade