Publicidade

Estado de Minas

Projeto de Aécio Neves amplia o Bolsa-Família

Proposta aprovada em comissão mantém o pagamento por seis meses depois que o benefíciário ultrapassar a faixa de renda limite. PT votou contra


postado em 29/05/2014 06:00 / atualizado em 29/05/2014 07:04

Sob protesto do PT, a Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou ontem projeto do pré-candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves (MG), que altera regra do Bolsa Família, uma das principais bandeiras eleitorais da gestão petista. A proposta mantém o pagamento do programa por seis meses para chefes de família que ultrapassarem a faixa de renda limite para ser beneficiário. O texto segue para análise da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

O texto propõe que, em uma reanálise da concessão do programa, caso o beneficiário tenha aumentado a renda familiar, ultrapassando o limite permitido por pessoa (R$ 154), poderá continuar a receber o recurso por mais seis meses. O argumento é que o cidadão precisa garantir a estabilidade financeira antes de ser desligado. O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), apresentou relatório em separado contrário ao projeto.

Para Aécio, o PT votou contra os beneficiários do programa. “Chega a ser comovente o esforço das principais lideranças do PT de impedir qualquer aprimoramento ou avanço de tamanha importância no programa”, disse. O tucano acusa o partido adversário de querer apenas fazer propaganda eleitoral com o Bolsa Família.


Publicidade