Publicidade

Estado de Minas

PT e Aécio antecipam disputa por eleições de 2014

PT, Dilma e Lula celebrarão em São Paulo os 10 anos à frente do Planalto. Ao mesmo tempo, o senador Aécio Neves fará um discurso com 13 pontos negativos da gestão petista


postado em 20/02/2013 07:01

Quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013. Mas pode parecer que já estamos em 2014, pois é disso que o dia de hoje vai tratar. A 19 meses e meio das eleições presidenciais, a superquarta será marcada pela festa do PT em São Paulo para comemorar 10 anos de governo petista e os 33 anos de criação da legenda. E terá, ainda, um discurso especial do pré-candidadato do PSDB à presidência, senador Aécio Neves (MG), na tribuna da Casa, antecipado em uma semana justamente para servir de contraponto e mostrar a Luiz Inácio Lula da Silva e à presidente Dilma Rousseff que os tucanos não vão ficar calados. “As correntes do pensamento conservador, que quase empurram o mundo para o abismo da crise financeira, insistem em não entender o Brasil e a originalidade do nosso modelo”, exaltou Dilma, no Palácio do Planalto. “Eles têm de se lembrar que o Brasil não foi descoberto em 2003”, rebateu Aécio, ao Estado de Minas, no Senado.

Aécio rascunhou o discurso com o presidente do Instituto Teotônio Vilela, Tasso Jereissatti, e com outros líderes tucanos, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Ele vai elencar 13 pontos para mostrar o fracasso do governo do PT, juntando dados para provar como os equívocos de Lula e Dilma prejudicaram o país. “As decisões erradas prejudicaram a Petrobras, a Eletrobras e diversas outras estatais brasileiras”, acusou o senador mineiro, destacando ainda o baixo crescimento do PIB nos dois primeiros anos da gestão Dilma.

Aécio vai mostrar também que a saúde retrocedeu nos últimos 10 anos e que a crise de violência nas principais cidades brasileiras retrata fielmente a falta de uma política nacional de segurança pública. Ele afirmou que, daqui para frente, a intenção do PSDB - dele ou de outros representantes do partido - é ocupar a tribuna do Senado semanalmente para mostrar os resultados da década dominada pelos petistas. “Creio que nossas críticas complementarão as reflexões do PT”, provocou.

Inicialmente, o senador mineiro pensava em fazer seu pronunciamento no dia 27. Mas a análise do balanço feito pelo PT sobre os 10 anos de governo e os 33 anos de existência fez com que ele mudasse de ideia. “Faltou generosidade e uma boa dose de autocrítica na cartilha que eles elaboraram”, afirmou. Para Aécio, os avanços conquistados seriam impossíveis sem os oito anos de governo de Fernando Henrique Cardoso, com o Plano Real e todo o processo de estabilidade econômica.

Sobre a ausência de autocrítica, Aécio diz ter sentido falta de uma revisão do passado petista. “Nenhuma menção à omissão na eleição de Tancredo Neves, à falta de apoio ao governo Itamar Franco para assegurar uma governabilidade para o país. Eles também esqueceram que, por questões eleitoreiras, foram contra o Plano Real. E que nos criticaram pelo Proer mas, em 2009, fizeram o mesmo e apresentaram a ideia como ‘a salvação do sistema financeiro nacional’”, exemplificou.

Conquistas


Em São Paulo, só festa e loas. O discurso do presidente do PT, Rui Falcão, será centrado em um balanço das conquistas econômicas e políticas das administrações de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff. “O ponto principal que eu acho que nos distingue dos antecessores é o fortalecimento da democracia brasileira e a colocação do povo como principal protagonista dessas mudanças”, disse Falcão, após solenidade no Palácio do Planalto.

Para o secretário de organização do PT, Paulo Frateschi, é hora de municiar as pessoas para a batalha política e o debate de ideias. “Vamos mostrar os avanços que tivemos em uma década de governo democrático popular ante oito anos de um modelo neoliberal de arrocho salarial e crescimento econômico pífio”, disse Frateschi ao Estado de Minas. “Nós precisamos construir a marca dos que foram esses 10 anos desde que chegamos ao Palácio do Planalto”, acrescentou.

Frateschi ironizou a decisão de Aécio de antecipar o seu discurso na tribuna do Senado. “Desde o fim do ano passado tínhamos programado este encontro de hoje. Não queremos briga, queremos mostrar os grandes projetos nacionais que temos, o aumento no número de moradias, os avanços na Saúde, na Educação, na inclusão social”, enumerou ele.

Durante o primeiro semestre, serão realizados 10 seminários em diversas capitais - o primeiro será em Fortaleza, em 28 de fevereiro - para construir esse discurso. Eventos elaborados em conjunto entre o PT, o Instituto Lula e Fundação Perseu Abramo. Para o dirigente petista, os governos Dilma e Lula mostraram que a presença do Estado é importante como indutora da economia. Que é possível conciliar as exportações com a criação de um mercado interno de massa. “São dois projetos completamente antagônicos”, pontuou ele.

Frateschi sente-se à vontade até mesmo com a presença de José Dirceu, José Genoino e João Paulo Cunha - todos condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por envolvimento no escândalo do mensalão - na festa de hoje à noite. “Como não têm como nos atacar no ponto de vista gerencial, querem forçar a mão com esse tema. Eles (os mensaleiros) estarão presentes, mas não será uma festa para eles”, ressaltou Frateschi.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade