Publicidade

Estado de Minas UM DEPUTADO E DOIS PARTIDOS

Família do parlamentar mineiro Luis Tibé é "dona" de duas legendas

Uma delas, PTdoB, foi a que mais cresceu nas eleições 2012


postado em 18/11/2012 07:43 / atualizado em 18/11/2012 07:54

Ao lado do pai, Tibelindo, em foto de 2006, Luiz também é conhecido pela generosidade nas doações a várias legendas(foto: Paulo Filgueiras/Estado de Minas / DA Press)
Ao lado do pai, Tibelindo, em foto de 2006, Luiz também é conhecido pela generosidade nas doações a várias legendas (foto: Paulo Filgueiras/Estado de Minas / DA Press)


Uma família, dois partidos e muitos votos nas urnas. Assim pode ser definida a atuação do clã Tibelindo, que comanda o Partido Trabalhista do Brasil (PTdoB) e o Partido Republicano Progressista (PRP) e dirigiu o extinto Partido Geral dos Trabalhadores (PGT). Dirigido nacionalmente pelo deputado federal Luis Tibé (MG), de 41 anos, o PTdoB saiu das urnas em outubro como o partido que mais cresceu no Brasil. Em relação a 2008, a legenda aumentou em 222% o número de prefeitos e 58% o de vereadores. Na Câmara Municipal de Belo Horizonte o partido elegeu quatro representantes, o dobro do pleito anterior, e será a terceira maior bancada no Legislativo da capital mineira. O PTdoB alcançou ainda a segunda maior votação da capital, atrás apenas do PSB, partido do prefeito reeleito Marcio Lacerda.

O PRP, dirigido nacionalmente pelo pai de Tibé, Tibelindo Soares Resende, 82 anos, elegeu apenas um vereador, mas com a nona maior votação entre os 41 eleitos. Antes de migrar para o PRP, Tibelindo era filiado à legenda do filho. Já a mãe de Tibé, Arlie de Oliveira Resende, 74 anos, é dirigente do PTdoB e da Fundação Barão e Visconde de Mauá, entidade mantida pelo partido. Esses dois ela divide com sua filha, Maria Luisa de Oliveira Resende, 38 anos, integrante da direção do PTdoB e da fundação.

Além dos partidos, a família se reveza na direção de uma organização não governamental sediada em Belo Horizonte, a Associação Valorizar, no Bairro Concórdia, Região Nordeste, reduto eleitoral de Tibé. Em Brasília, a menina dos olhos do parlamentar, eleito para seu primeiro mandato em 2010, depois de uma passagem relâmpago de apenas dois anos pela Câmara Municipal de Belo Horizonte, é o Lar de São José, em Ceilândia, cidade-satélite do Distrito Federal. Foi para essa entidade que o deputado destinou este ano R$ 100 mil em emenda.

GENEROSIDADE
O parlamentar é conhecido ainda pela generosidade com que doa recursos para candidatos das mais variadas legendas. Nas eleições deste ano, doou do próprio bolso R$ 12 mil para André Alves (PHS), que até 2010 era filiado ao PTdoB e atuava na ONG Valorizar, e R$ 500 para o presidente da Câmara, Léo Burguês (PSDB), reeleito para mais um mandato. André Alves recebeu ajuda financeira para sua campanha da mãe de Tibé, que doou R$ 4.900 para o candidato, que acabou não se elegendo vereador. Nas eleições passadas, o PTdoB mineiro, presidido por Tibé, doou quase meio milhão de reais para candidatos a deputado do PHS, PRP, PRTB, PTN, PDT e PTC, esse último agraciado com R$ 319 mil.

O deputado justifica que as doações foram destinadas a “companheiros políticos que faziam parte da coligação”. Ele conta que usa como estratégia “fazer uma chapa de pouco voto” para que a campanha fique mais barata. Para multiplicar representantes no país, segundo o parlamentar, a “receita é organização e planejamento”.

Empresário do ramo de telefonia celular, Tibé tem registrado em seu nome uma empresa que, de acordo com informação da Receita Federal, funciona no mesmo endereço do PRP, no Bairro Renascença, Região Nordeste de BH, e um modesto patrimônio de R$ 406 mil, um imóvel e um Fiat Uno 1995, segundo declaração feita à Justiça Eleitoral em 2010. A reportagem foi até o local e não encontrou nenhuma placa que identifique a empresa do político, apenas o partido. Tibé nega que PTdoB e PRP sejam na verdade uma única legenda, como os desafetos costumam alardear. Segundo ele, as duas legendas são independentes uma da outra. Pelo visto a única coisa em comum é mesmo gosto da família pela política.

Quem é
Luis Henrique de Oliveira Rezende nasceu em 23 de julho de 1971, em Belo Horizonte. Herdou do pai, Tibelindo Soares Resende – um dos fundadores do PTdoB, criado em 1989 –, o apelido, Luis Tibé, e o gosto pela política. É empresário do ramo de telefonia e estudou direito, mas não concluiu o curso. Candidatou-se a governador de Minas Gerais pelo PTdoB em 2006. Fundou a organização não governamental Valorizar. Se elegeu para o primeiro mandato de vereador na capital mineira em 2008. Na Câmara Municipal presidiu a Comissão de Administração Pública. Antes de encerrar seu mandato de vereador foi eleito deputado federal, em 2010, com 58.677 votos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade