Publicidade

Estado de Minas

Justiça mantém Anderson Adauto na prefeitura de Uberaba


postado em 05/11/2008 21:21 / atualizado em 08/01/2010 04:06


A Justiça determinou, no fim da tarde desta quarta-feira, a permanência do prefeito reeleito de Uberada, Anderson Adauto, do PMDB, no cargo. Ele seria afastado depois que a Justiça aceitou pedido feito pelo Ministério Público de Minas Gerais. O ex-ministro dos Transportes do governo Lula é suspeito de integrar uma quadrilha que teria desviado R$ 5 milhões dos cofres públicos do município, por meio de contratos irregulares na área da saúde.

Mesmo com a decisão da tarde desta quarta-feira, Anderson Adauto afirmou que vai recorrer da decisão, tomada pelo juiz Lênin Ignachitti, da 4ª Vara Cível de Uberaba, que também tinha determinado o seqüestro dos bens do prefeito. Também tiveram os bens retidos e foram afastados João Franco Filho, ex-secretário de Saúde e atual secretário de Governo do município e a funcionária Vera Lúcia Silva Abdalla, também envolvidos na suspeita.

A irregularidade na licitação ocorreu em novembro de 2006, quando ganhou a disputa a Home Care Medical Ltda, sediada em Guarulhos, que ficou responsável por gerenciar a compra e a distribuição de medicamentos em Uberaba.


Publicidade