Publicidade

Estado de Minas POESIA

Conheça os livros de Ana Martins Marques

Escritora mineira lançou cinco obras individuais e duas com os poetas Eduardo Jorge e Marcos Siscar


25/06/2021 04:00 - atualizado 25/06/2021 09:16

“A vida submarina” (2009)
• Scriptum/Companhia das Letras
• R$ 44,90
• 144 páginas

“É uma grande satisfação assistir o crescimento da Ana Martins como uma poeta singular”, afirma Mário Alex Rosa, um dos editores da primeira edição, da Scriptum. “Eu, Rogério Barbosa e Wagner Moreira ficamos encantados com a potência de um livro que praticamente veio pronto. Entre as muitas qualidades, destaco duas: o apuro da linguagem sem se perder em rarefações e a dimensão meditativa, de um lirismo aberto para o outro, como se naquele conjunto de poemas pudéssemos ouvir não só a própria voz recolhida e íntima da poeta mas também a nossa.”


“O livro das semelhanças” (2015)
• Companhia das Letras
• 112 páginas
• R$ 47,90

Prêmio Oceanos, teve seis reimpressões e é o livro mais vendido de Ana Martins. “Há duas séries espetaculares: a primeira, ‘livro’, é uma grande declaração de amor à literatura. Nesses poemas, Ana examina tudo o que cabe entre a capa e a quarta capa: dedicatória, epígrafe, colofão”, destaca a editora, Alice Sant’Anna. “A segunda seção, ‘cartografias’, reflete sobre os encontros e os desencontros a partir da frieza dos mapas. ‘Combinamos por fim de nos encontrar/ na esquina das nossas ruas/ que não se cruzam’.’’ 



“Da arte das armadilhas” (2011)
• Companhia das Letras
• 88 páginas
• R$ 42,90

Prêmio Biblioteca Nacional, é o segundo livro de Ana Martins Marques. “O livro abre com uma série inesquecível, ‘interiores’. Nela, Ana destrincha os objetos domésticos e dá vida a talheres, fruteiras, espelhos, capachos. no extraordinário ‘relógio’, ela explica a diferença entre a noite e o dia: ‘se bato claras em neve:/ dia// se cozinho beterrabas grandes:/ noite’”, conta a editora, Alice Sant’Anna.


“Duas janelas” (2016)
• Com Marcos Siscar
• Editora Luna Parque
• 40 páginas 
• R$ 25 

Livro produzido por Ana Martins Marques no segundo semestre de 2015 com Siscar, poeta, autor de ensaios sobre Ana Cristina Cesar e Haroldo de Campos, professor da Unicamp e autor de livros como “Poesia e crise”. “Os autores gostariam que o livro fosse lido como o registro de uma experiência de escrita”, afirma a apresentação. Partindo de idêntico ponto de partida, os poemas, com autoria separada pelas páginas pares e ímpares, buscam “acender-se mutuamente”. “Duas janelas” foi lançado em novembro de 2016 com tiragem de 200 exemplares.


“Como se fosse a casa: uma correspondência” (2017)
• Com Eduardo Jorge
• Relicário Edições
• 48 páginas
• R$ 30

“Eles tinham guardado a troca de e-mails, que eram poemas, do período em que a Ana morou em um apartamento do Eduardo (Jorge) no Edifício JK (em BH)”, conta a editora, Maíra Nassif. “A Ana organizou e me mandou; já vi que era incrível. Publicamos, com orelha do Ricardo Aleixo, e foi um sucesso. É um livro curto, muito singelo, mas que fez muito barulho: ganhou o prêmio Bravo de Literatura em 2018 e ainda hoje é o livro mais vendido de poesia da Relicário.”


“Risque esta palavra” (2021)
• Companhia das Letras
• 120 páginas
• R$ 44,90

Dividido em quatro partes (“A porta de saída”, “Postais de parte alguma”, “Noções de linguística”, “Parar de fumar”), o novo livro traz na contracapa “História”, poema que viralizou nas redes sociais desde a publicação, em 2016. “É um livro comovente que joga luz sobre o amor, o luto e a solidão. Os poemas nascem da observação e da auto-observação, numa profunda curiosidade com a linguagem e o ofício da escrita”, afirma Alice Sant’Anna.


“O livro dos jardins” (2019)
• Editora Quelônio
• 48 páginas
• R$76

"É um dos destaques do nosso catálogo”, afirma o editor, Bruno Zeni. “Como primeiro leitor, fiquei assombrado com o conjunto. O tema dos jardins e das plantas se desdobra nos poemas da autora em outros temas, tão ou mais fascinantes. É uma meditação sobre o tempo, sobre a maneira de nos relacionarmos com o ambiente, sobre a própria escrita, tendo o mundo vegetal como parâmetro e espelho. Assim, é um livro sobre a existência”, define Zeni, lembrando que a edição artesanal, com a capa feita de papel com aparas de folhas de bambu, tem aspecto de “caderno de campo” e faz o leitor se aproximar dos poemas “como um registro único.”


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade