Publicidade

Estado de Minas CUIDANDO DO MEIO AMBIENTE

Pesquisas e educação ambiental integram ações sustentáveis da Cemig

Companhia mineira desenvolve trabalhos que ajudam a avaliar e manter a saúde dos ecossistemas nas regiões onde possui empreendimentos


Cemig
Conteúdo patrocinado
Cemig
postado em 31/05/2019 15:41 / atualizado em 03/06/2019 13:38

Projeto de Recuperação de Mata Ciliar no entorno de reservatórios - Cemig(foto: João Marcos Rosa)
Projeto de Recuperação de Mata Ciliar no entorno de reservatórios - Cemig (foto: João Marcos Rosa)
O Dia do Meio Ambiente se aproxima e, com ele, uma série de discussões importantes sobre exploração e preservação ambiental. Afinal, talvez o grande desafio dos tempos modernos seja descobrir como continuar evoluindo, sem que isso custe a saúde do nosso planeta e os recursos que precisamos para sobreviver. 
 
Fundada em 1952, a Cemig não fica alheia à essa discussão. Fornecer energia elétrica para todo o estado exige uma operação robusta, com redes de distribuição, usinas hidrelétricas e obras acontecendo a todo momento. Obras essas que, ainda que os moradores das grandes cidades não se deem conta, impactam diretamente o meio ambiente em diversas formas. 
 
Ciente desse impacto e atenta às necessidades de atuação sustentável, a companhia decidiu levar à público uma série de iniciativas de monitoramento e conservação ambiental nas áreas onde atua, entre elas os Programas de Monitoramento, Manejo e Conservação
 
O objetivo é garantir a segurança ambiental no entorno das usinas hidrelétricas, a preservação dos recursos naturais e a transparência com a população. "A Cemig está sempre buscando melhorar suas ações ambientais, utilizando novos conhecimentos gerados e produzindo respostas à questões que ainda não foram discutidas", afirma Miriam Aparecida de Castro, analista ambiental da companhia. 
 
Segundo o seu portal de Sustentabilidade, a Cemig vê o desenvolvimento sustentável como um processo de busca de melhores condições de vida, tanto para a geração atual quanto para as futuras. Com isso, aposta em uma postura transparente, rentável e ética em seus negócios, traduzida nessas ações.
 
Conheça mais sobre os Programas de Monitoramento, Manejo e Conservação e outras iniciativas da Cemig a seguir.

Programas de monitoramento

Seguindo diretrizes da sua Política de Biodiversidade, a Cemig desenvolveu internamente os Programas de Monitoramento, Manejo e Conservação, um projeto que ajuda a criar estratégias mais eficientes para reduzir o dano ambiental das atividades do setor. Os programas permitem a identificação e o levantamento de informações sobre o impacto ambiental de uma obra ou operação em todas as fases, desde o primeiro desenho até a implementação. 
 
Inicialmente, as ações eram uma iniciativa voluntária dentro da empresa. Porém, com a evolução da legislação ambiental, esse tipo de monitoramento se tornou obrigação ambiental, fazendo parte dos processos de licenciamento. 
 
Desde então, a Cemig trabalha em conjunto com órgãos ambientais, por meio das equipes envolvidas na gestão ambiental corporativa e na manutenção das estruturas de geração, transmissão e distribuição de energia. Esses esforços resultam em um sistema de identificação, análise e controle de impacto ambiental, bastante útil em avaliações de riscos operacionais. 
 
A intenção, segundo a companhia, é ser capaz de monitorar as formas de vida existentes em torno dos empreendimentos, compreender sua atividade biológica e trabalhar para evitar efeitos negativos sobre ela. 
 
Ainda, há uma preocupação em proteger espécies ameaçadas de extinção, o que motiva a Cemig a desenvolver projetos de pesquisa em busca de metodologias e tecnologias que possam minimizar a perda dessa diversidade, ou ajudar a compensá-la. 

Mais de 200 pontos hídricos analisados

 
Entre as frentes de trabalho sustentável desenvolvidas pela Cemig está o monitoramento da qualidade da água nos reservatórios de usinas hidrelétricas. Mais de 200 pontos são acompanhados continuamente, envolvendo a análise de parâmetros físicos e químicos que ajudam a entender a saúde dos aquíferos.
 

Por meio do monitoramento é possível analisar fatores físicos e químicos capazes de indicar alterações que podem impactar o equilíbrio dos habitats naturais

Miriam de Castro, analista ambiental da Cemig

  
De acordo com a analista ambiental da instituição, Miriam de Castro, os parâmetros analisados incluem, por exemplo, as condições de temperatura, oxigênio, transparência da água e outros fatores que garantem a vida das espécies aquáticas e o equilíbrio de todo o habitat.
 
“Geramos relatórios periódicos para avaliar como esses parâmetros estão se comportando. Quando nos deparamos com índices atípicos, acompanhamos com maior rigor para avaliar o que está acontecendo. Pode ocorrer, por exemplo, de haver proliferação de uma alga ou de um microorganismo que comprometa a oxigenação. Então, com base nos critérios estabelecidos pelo Conama, o Conselho Nacional do Meio Ambiente, conseguimos identificar as irregularidades e adotar soluções cabíveis”, explicou a ambientalista.
 
Além disso, o monitoramento integra análise biológica, acompanhando o comportamento das espécies nativas e de outras que se adaptam ao ambiente do reservatório. Tal análise serve como base para identificar o equilíbrio ou alterações na dinâmica do ecossistema, dando uma visão clara das interferências ambientais dos empreendimentos mantidos pela instituição.
 
Monitoramento de peixes na área de influências da Usinas Hidrelétricas(foto: João Marcos Rosa)
Monitoramento de peixes na área de influências da Usinas Hidrelétricas (foto: João Marcos Rosa)
 
 
Em paralelo, os pesquisadores trabalham, em parceria com instituições de ensino e empresas especializadas, para recuperar e/ou compensar essas modificações, tentando ao máximo manter os ecossistemas em pleno funcionamento. 
 
O monitoramento é constante, o que já gerou uma quantidade expressiva de dados valiosos, armazenados em um banco de dados chamado Siságua. Por meio dele, pesquisadores em várias partes do estado podem acessar informações, armazenar relatórios e expor o resultado de suas análises. 
 

Siságua

 
O sistema Siságua foi criado para concentrar os dados dos programas de monitoramento da qualidade das águas dos empreendimentos da Cemig. Além de ser uma excelente fonte, permitindo que pesquisadores e órgãos ambientais acessem os relatórios da companhia, o Siságua também é uma ferramenta de transparência. 
 
O público em geral pode ter acesso ao sistema e consultar todas as informações disponíveis. É mais uma forma de incluir a comunidade nas campanhas de preservação, dando ao cidadão o poder de fiscalizar e acompanhar as iniciativas de preservação da Cemig. O portal da instituição também disponibiliza uma página dedicada à Sustentabilidade para consultas pelo público.
 
Também existe a página do Programa Peixe Vivo que disponibiliza os relatórios dos monitoramentos de peixes, livros publicados, artigos e informações sobre os projetos em desenvolvimento. 
 
A Cemig afirma que novas iniciativas estão previstas, com base na realização de Projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Programa regulamentado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). A instituição também lança editais periódicos para essas atividades, financiando projetos ao redor do país. 
 

Amostras ajudam a entender os ecossistemas

 
Paralelo ao monitoramento das águas, as equipes da Cemig e parceiros acompanham o comportamento dos peixes, que formam a ictiofauna, nos reservatórios e áreas de influência. Trata-se de uma exigência que condiciona as operações das usinas hidrelétricas. Muitas licenças já vêm acompanhadas de cláusulas condicionantes ligadas ao meio ambiente, e a Cemig é orientada a desenvolver projetos de monitoramento deste tipo para as usinas cuja licença contar com essa cláusula. 
 
Neste sentido, amostras são coletadas e conduzidas para análise, permitindo verificar o estado de conservação de cada ecossistema. Relatórios periódicos são produzidos e avaliados pela equipe técnica da Cemig e pelos órgãos ambientais responsáveis. 
 
O monitoramento pode ser compreendido como uma iniciativa preventiva, dando condições para que práticas reparatórias sejam adotadas.
 
Análise de espécies aquáticas com o Projeto Peixe Vivo(foto: Elderth Theza - THZ Imagens)
Análise de espécies aquáticas com o Projeto Peixe Vivo (foto: Elderth Theza - THZ Imagens)
 
 
O trabalho se estende também à análise da fauna de peixes nos canais de fuga das usinas hidrelétricas, crucial para entender o risco ambiental da instalação da usina naquela região e o comportamento migratório dos peixes em cada localidade.
 
Essa iniciativa nasceu de dois projetos de pesquisa desenvolvidos em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Cemig. Além do programa, as pesquisas originaram outro projeto de estudo sobre a morte crônica de peixes nas áreas de usina. Desde o início, a Cemig já verifica uma redução significativa na biomassa aquática afetada e a expectativa é que os índices melhorem ainda mais. Todas essas pesquisas são desenvolvidas com recursos próprios do órgão.

Educação ambiental nas comunidades

 
Além de capacitar sua equipe técnica para lidar com o impacto ambiental, a Cemig também volta parte de seus esforços para a comunidade. Assim nasceram os Programas de Educação Ambiental, com atividades de conscientização ambiental e preservação das áreas de entorno dos empreendimentos da Cemig. A ideia é levar para a comunidade a percepção de que também são parte do processo e que também podem contribuir para uma vivência mais sustentável.
 
Essa ação, segundo a analista ambiental da Cemig, é mais um dos esforços que traz ganhos para uma atuação mais sustentável. “Em função das suas ações ambientais, [a Cemig] é reconhecida por indicadores internacionais, como o Índice Dow Jones de Sustentabilidade há 17 anos, e o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bovespa”, comentou.  
 

Posicionamento sustentável

Integrando pesquisa e educação ambiental, a Cemig é a companhia de energia elétrica mais sustentável das Américas e ocupa a 19ª posição no ranking de Corporações Mais Sustentáveis do Mundo de 2019, posto alcançado, inclusive, porque 98% da sua capacidade de geração de energia advém de fontes sustentáveis. Assim, a Cemig se posiciona fortemente como uma empresa com responsabilidade ambiental. E o balanço dessas ações, segundo Miriam de Castro, é muito positivo.
 
“Um Programa de Monitoramento é essencial para conhecer a fauna que existe em uma região. Temos alguns programas que já conseguiram acompanhar a introdução de uma espécie exótica, ocasionada por terceiros, mostrando o impacto dela no ambiente. Além disso, já houve uma grande melhoria na qualidade dos relatórios entregues aos órgãos ambientais, aumentando a credibilidade da empresa junto aos órgãos licenciadores e fiscalizadores, além de e uma boa interação com a comunidade através do Programas de Educação Ambiental”, relatou.
 
Para além do impacto técnico, a Cemig também se responsabiliza pela formação e instrução da comunidade, fomentando o setor de pesquisas e incentivando estudantes a se interessarem pelo tema. Afinal, o futuro da empresa vislumbra cada vez mais ações desta natureza, e não vai faltar espaço para mão de obra qualificada. 
 
Você pode conhecer mais sobre as iniciativas de pesquisa, conservação e recuperação ambiental da Cemig no site oficial.
 
 

Teste seus conhecimentos sobre sustentabilidade no Quiz Especial do Dia do Meio Ambiente!
 
 
 
 


Publicidade