Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas FMI

A crise de 2008 e austeridade fiscal


18/10/2020 04:00

Antonio Negrão de Sá
Rio de Janeiro 

“A crise de 2008 e a pandemia do novo coronavírus jogaram a ‘pá de cal’ no neoliberalismo. Com austeridade fiscal, teto de gastos e Estado mínimo fica impossível crescimento ou desenvolvimento econômico. Essa é a mais recente e surpreendente reflexão que o FMI, símbolo maior da exploração capitalista, foi obrigado a fazer. A conta da desigualdade social não pode mais recair nos pobres. Somente com a taxação das grandes fortunas será possível evitar um desastre, uma hecatombe social. O PT, em setembro próximo passado, lançou um Plano de Reconstrução e Reforma Social, não acabado e para debate e discussão, onde chega à mesma conclusão. Impossível impedir uma crise de magnitude gigantesca aplicando receitas e reformas neoliberais. O pós-eleição, no Brasil e nos EUA, deixará bem clara essa realidade. O Brasil, sua elite do atraso, sempre na contramão da história, viverá esse desafio a partir de 2020.”

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade