Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas FUTEBOL

Proteção aos atletas mirins


postado em 03/01/2020 04:00

Bruno Vieira
Belo Horizonte

"A categoria de base é o início de uma carreira promissora do atleta. Afinal, é nela que se aprende tudo sobre o esporte, desde os conceitos fundamentais, formas de aprimorar técnicas, até o desenvolvimento pessoal e emocional. Porém, a atenção dada à saúde mental dos jogadores é praticamente inexistente no Brasil, deixando de assegurar, muitas vezes, o respeito aos direitos da criança e do adolescente no meio esportivo. De acordo com a Lei 9.615/98, mais conhecida como Lei Pelé, é de responsabilidade do clube formador de atletas garantir assistência educacional, psicológica, médica e odontológica, assim como alimentação, transporte e convivência familiar (incluído pela Lei 12.395/2011). Mas essa legislação acaba não sendo cumprida como deveria, principalmente quando se trata de atendimento psicológico. Para uma carreira de sucesso, a psicologia do esporte é necessária durante toda a vivência do jovem na categoria de base, no qual será explorado o seu potencial e, ao mesmo tempo, sua superação. A grande questão é que a ambição dos clubes não afeta, de forma negativa, somente o futuro profissional do jogador, mas sua vida pessoal também. Devemos lembrar que esses atletas, com ainda 14 ou 15 anos de idade, estão propensos a adoecerem de forma mais vulnerável que qualquer outro ser humano. Se pensarmos que alguns desses jovens estão longe dos familiares, dos amigos, da escola e sendo constantemente cobrados, sem o devido preparo emocional, é quase certo que desenvolverão hábitos errôneos e sintomas depressivos ou doenças psicológicas como ansiedade, síndrome do pânico e transtornos obsessivos. O dever dos clubes não é só uma questão legal, é moral. Falta o mínimo de profissionalismo, compreensão, empatia e zelo nessa fase de formação do ser humano. Esses jovens, que carregam o próprio sonho e o de toda a família nas costas, precisam se preparar fisicamente e mentalmente para o que enfrentarão pela frente."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade