UAI

Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro e a COVID-19


17/11/2021 04:00 - atualizado 16/11/2021 22:05

Sacha Calmon
Advogado, coordenador da especialização em direito tributário da Faculdades Milton Campos, ex-professor titular da UFMG e UFRJ

O jornalista Raphael Felice foi muito oportuno ao noticiar que senadores do grupo majoritário do colegiado vão encaminhar uma ação cautelar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo o banimento de Jair Bolsonaro das redes sociais após o presidente ter relacionado a vacina contra o coronavírus à imunodeficiência humana (HIV) na população do Reino Unido. “Nós vamos encaminhar uma ação cautelar junto ao Supremo pedindo o banimento dele nas redes sociais, como ocorreu com o Donald Trump. Porque o Bolsonaro é um reincidente. Ele vai cometendo crimes, reafirmando, reincidindo. Esse negócio de ivermectina, cloroquina, imunidade de rebanho, ele próprio repete isso e vai se incriminando cada vez mais”.

Não é apenas fake news, “é mais do que uma simples mentira – isso é terrorismo de Estado. A Justiça precisa frear essa loucura”, publicou o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues. O Facebook e o Youtube retiraram das plataformas a live de Bolsonaro.

“Temos um delinquente contumaz na Presidência da República! Informo que incluiremos, no relatório da CPI, a fala mentirosa e absurda de Bolsonaro associando a vacina contra a COVID-19 à Aids”, postou Randolfe Rodrigues. “Encaminharemos ofício ao Ministro Alexandre de Moraes, pedindo que Bolsonaro seja investigado por esse absurdo no âmbito do inquérito das ‘Fake News’ e recomendaremos às plataformas de redes sociais a suspensão e/ou o banimento do Presidente”, concluiu.

Está causando perplexidade nos centros psiquiátricos a fala de Bolsonaro sobre a vacina contra a COVID-19 causar Aids, com espeque no noticiário de um site de mexericos e notícias falsas do Reino Unido. Bolsonaro, é um irresponsável falastrão. Foi por isso que o Exército o forçou a sair ainda tenente. Foi por isso também que o elegemos, por acreditar nele, nas reformas (que não foram feitas) e na ética, que não tem, nunca teve e jamais terá (é da sua personalidade falar sem escrúpulos).

Mas o que o leva a ser tão contrário às vacinas? Eu próprio me sinto perplexo com a sua entrincheirada campanha contra a vacina anti-COVID e certamente as demais vacinas, sob pena de ser incoerente. E se for isso? Não estamos na Presidência com um titular desequilibrado mentalmente? Um cliente certo de qualquer clínica psiquiátrica?  Esse é o meu temor e do eleitor brasileiro. Caímos no maior estelionato político do Brasil republicano.

O presidente da Câmara, Arthur Lira, disse que o presidente Jair Bolsonaro deve pagar por divulgar informações falsas, ao comentar a decisão do Facebook de retirar do ar a fala do chefe do Executivo. Os cientistas não descobriram nenhuma relação entre Aids e imunizantes contra o novo coronavírus.

O ministro do STF Luís Roberto Barroso enviou à Procuradoria-Geral da República (PGR) um pedido de investigação sobre a fala de Bolsonaro. A decisão do magistrado é praxe, cabe à PGR a investigação de políticos com foro privilegiado na Corte. Cabe à PGR avaliar se existem elementos para pedir abertura de inquérito para apurar o caso. Barroso analisa ação apresentada por parlamentares que acionaram o STF após a associação falsa e sem respaldo científico.

Em entrevista a uma rádio, Bolsonaro disse que leu sobre a pesquisa em reportagem da revista Exame publicada semana atrás. A reportagem, no entanto, foi publicada em outubro do ano passado, quando as vacinas eram produzidas.

Ele não tem discernimento nem prudência, não importa a fonte, que ele nem sequer investiga. Ao cabo, ele é especialista em “fake news”, ou seja, notícias deliberadamente falsas. Sua ética é zero!
O Facebook tomou decisão inédita ao tirar do ar a live em que Bolsonaro associou vacinas à Aids. O vídeo não está mais disponível nem na página do chefe do Executivo, nem no perfil do Instagram. A companhia informou que a exclusão foi feita por identificar o desrespeito às políticas da empresa em relação à vacina da COVID-19.

O Comitê de HIV/aids da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) informou que não existe relação conhecida entre qualquer vacina contra a COVID-19 e o HIV, e repudiou “toda e qualquer notícia falsa que circule e faça menção a esta associação inexistente”. Engula essa, senhor presidente. Não viram agora, ele e o Salvini, o líder da extrema-direita italiana, se abraçando na Itália?
Lula se regala com tanta imprudência e inépcia. O Brasil não cresce.

Bolsonaro nada faz e agora não tem mais tempo de fazer coisa alguma, a não ser demagogia com o dinheiro público, de nossos impostos. Falo do Auxílio Brasil para amortecer a vida difícil de 20 milhões de famílias levadas à miséria e a fome.

Afinal, seu governo só apresentou um triunfo, que é o ministro das comunicações. É provável nos colocar dentro da era 5G, capaz de revolucionar tudo, apesar do ruim governo que temos.

Nem tudo está perdido. O próximo governo terá a difícil tarefa de nos recolocar nos eixos novamente. Que assim seja! Amem!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade