Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas editorial

Democracia e liberdade de expressão


23/02/2021 04:00

Os deputados referendaram a decisão da mais alta corte de Justiça do país, num claro basta à escalada de ataques às instituições e à democracia


Um dos mais influentes pensadores do século 20, o filósofo austríaco Karl Popper, é autor da mais arrojada obra já escrita em defesa da democracia: o livro "A sociedade aberta e seus inimigos", dividido em dois volumes, publicado em 1945. Neles, sustenta Popper, os regimes democráticos mais resilientes são aqueles em que todos os poderes políticos são claramente limitados pela lei; em que impera a liberdade de expressão; e nos quais os cidadãos, como indivíduos ou pessoas, têm precedência sobre os governos. A evocação a Popper é um pretexto para analisar o precedente aberto pelo Legislativo brasileiro no caso da prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ). 

Em todo o episódio, não havia a mais remota dúvida de que Silveira havia ido além da imunidade parlamentar quando, em vídeo publicado na internet, desfere ameaças a ministros do Supremo Tribunal Federal e ataque à democracia, ao defender um novo AI-5, o mais perverso ato institucional da ditadura militar que se instaurou no país em 1964 e durou 21 anos. Estava claro que o parlamentar precisava ser exemplarmente punido por isso. E essa possibilidade uniu um fragmentado STF.   

Então, voltemos à Câmara dos Deputados. Dos três poderes, o Legislativo é, de longe, o mais identificado com o cidadão, a mais direta representação da sociedade no sistema de freios e contrapesos de nossa democracia. Era, portanto, como estabelece a Constituição no caso de prisão de um parlamentar, a instituição incumbida de, à luz da letra fria da legislação, avaliar a decisão do Supremo. Na sexta-feira, sob forte pressão e muita expectativa, os deputados referendaram a decisão da mais alta corte de Justiça do país, num claro basta à escalada de ataques às instituições e à democracia.   

Nas sociedades abertas, o direito de informar e de expressar abertamente ideias é sagrado. Dentro, claro, dos limites estabelecidos pela lei para coibir excessos. E, como ressaltou Popper, esse direito não pode ser pretexto para ataques à democracia.  

É preciso estar atento e forte, como na música de Caetano, para reagir duramente às ameaças ao Estado democrático de direito. O discurso de ódio, totalitário, fomenta o caldo de insatisfação que, mais adiante, pode animar autoritários a tentar pôr em prática projetos golpistas. Nem sempre, no entanto, esses ataques são óbvios. Muitas vezes, são tramados justamente por quem tem a incumbência de zelar pela lei. Proteger a democracia de seus inimigos é uma luta permanente, um combate no qual não existe trégua.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade