Publicidade

Estado de Minas

Cuidado, golpistas. O tiro pode sair pela culatra


postado em 06/04/2020 04:00

Fábio P. Doyle
Da Academia Mineira de Letras
Jornalista
 
Querem, a qualquer custo, derrubar o presidente Bolsonaro. No plano traçado pelo grupelho golpista, quem assumirá o posto não será o vice-presidente, general Heleno Mourão. O Congresso aprovaria mudança de regime, criando a figura de um novo titular para comandar o Poder Executivo com uma junta formada pelos presidentes do Senado e do STF. O novo chefe do governo, por escolha dos golpistas, seria, fácil adivinhar, o presidente da Câmara dos Deputados, o notório Rodrigo Maia.

Plano é plano, depende de se transformar em realidade. Daí a pergunta: os militares, os generais, almirantes, brigadeiros, concordariam? Permitiriam o golpe?. Alguns já se pronunciaram de forma contundente, logicamente contrária. Um deles foi mais radical, afirmando (seria fake news?) que reagiria a bala, fechando o Congresso, e, se necessário, também o Supremo Tribunal Federal. Os golpistas, disse o general, seriam presos, e se tentassem resistir, "furados pelas metralhadoras". Como se vê, a situação do país, por culpa daquele grupelho ambicioso e impatriota, não é tranquila. E sobre fake news: até o presidente foi enganado por uma informação falsa sobre a Ceasa-MG, que estaria desabastecida. A PF está chegando ao autor da mentira, dizem que ligado à própria Ceasa.

Não seria mais correto deixar o novo governo, que não cumpriu nem a metade de seu mandato, trabalhar em paz? Cuidando da ameaça do coronavírus e da crise econômica decorrente da paralisação das atividades normais? O presidente da Associação Comercial de SP, Alfredo Cotait Neto, desabafou: "O comércio, fechado desde o dia 24 de março, não aguenta mais ficar parado".

Pensem bem, senhores ambiciosos, desonestos, impatriotas. O tiro contra o regime democrático pode e deve atingi-los mortalmente. Não arrisquem, não provoquem. Precisamos, nesta hora difícil, de união, de ordem, de paz.

Uma parte, felizmente com exceções, da imprensa escrita e televisionada faz coro com os golpistas, os que só pensam em reassumir o governo para continuar roubando, como sempre fizeram. Omitem o que o governo faz de positivo, e a lista é grande, para noticiar e criticar o que seria negativo, ou o que deturpam das falas do presidente e de seus ministros. Até o noticiário sobre o coronavoucher que será distribuído entre os necessitados, os desamparados pela crise virótica, fixado em R$ 600 por Bolsonaro, só mencionou o nome do presidente, que o instituiu e vai pagar, quando ele o sancionou.

O vice-presidente, general Mourão, desmentiu o que jornalistas de uma emissora de TV comentaram sobre suas atitudes no decorrer do entrevero entre o governador João Dória, de SP, e o presidente. Segundo eles, Mourão teria demonstrado, em gestos, discordar da reação de Bolsonaro. No desmentido, o vice afirmou que maneou a cabeça por discordar do comportamento provocativo do govenador paulista. Nenhum jornal, pelo menos os que eu li aqui em BH, registrou o desmentido.

Bolsonaro promoveu reunião de ministros e secretários com a imprensa para esclarecer dúvidas a respeito das providências tomadas no combate ao coronavírus. Reunião de natureza técnica, científica, desvinculada da política, frisaram os ministros da Casa Civil, Braga Neto, e da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Pois nenhuma pergunta foi feita sobre as medidas tomadas pelo governo, pelos que estavam lá representando seus veículos de comunicação. Todos insistiam em perguntar sobre o relacionamento de Mandetta com o presidente, sobre a possibilidade de o ministro ser demitido ou pedir demissão. O que levou o chefe da Casa Civil a negar a possibilidade de afastamento do ministro e lembrar que estavam ali para falar sobre a epidemia, não sobre temas diferentes. Mandetta completou, dizendo de seu ótimo relacionamento com o presidente e seus ministros. Aliás, um comentarista petista de uma TV anuncia todos os dias a demissão do ministro da Saúde...

A propósito, estranha a atitude da CNN Brasil: interrompeu o depoimento de um cientista sobre a epidemia, exatamente quando ele abordava, no mesmo raciocínio de Bolsonaro, as consequências graves que podem decorrer da paralisação de todo o comércio. Até tu, CNN?

Vale ressaltar posicionamento elogiável dos desembargadores da ativa e aposentados, ex-presidentes e vices, corregedores do Tribunal de Justiça de MG, doando parte do que recebem às Santas Casas de BH e do interior, que estão sem recursos para atender portadores do coronavírus. Encabeça a lista o ex-presidente da corte, desembargador José Fernandes Filho. Já os senadores querem liberar geral o pagamento de aluguéis, esquecidos daquela viúva que aluga a parte da frente de sua casa para, com a renda, ter o que comer. Não seria melhor que senadores e deputados, que ganham tanto, imitassem o gesto dos magistrados mineiros?

Jornais e TVs entrevistam e repetem declarações agressivas dos governadores Dória, de SP, e Witzel, do RJ. E omitem as dos sóbrios e ponderados governadores de MG, Romeu Zema, e de Santa Catarina, Carlos Moisés Silva. Lamentável.

Não concordo com tudo o que Bolsonaro faz e fala. Já disse que ele fala mais do deveria, como presidente da República, especialmente quando provocado por jornalistas mal-intencionados. Mas reconheço que ele é, pessoalmente, honesto e montou um ministério de altíssimo nível. Nenhum caso de corrupção aconteceu nos 15 meses de seu governo. Se fosse mais comedido, daria menos chance de agressões aos provocadores.
 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade