Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas EDITORIAL

O desafio da cultura

A arte, como uma dolorosa injeção, vem para aliviar os males que nem sequer sabemos que carregamos


postado em 21/01/2020 04:00

A troca de comando na Secretaria Nacional da Cultura, promovida às pressas depois das nefastas declarações do ex-chefe da pasta Roberto Alvim, que repetiu discurso do nazista Joseph Goebbels para lançar premiação nacional na área, é apenas a ponta de um gigantesco iceberg. Ou, ainda pior, de duas ameaçadoras massas de gelo que ainda parecem invisíveis.

O primeiro iceberg é o da intolerância, que insiste em dominar o subliminar das relações sociais no país, promovendo a repetição de discursos e atitudes racistas, homofóbicas, xenófobas e afins. Casos como o da mulher que se recusou a entrar no carro de aplicativo dirigido por um motorista negro, em Belo Horizonte, ou do jovem baleado por beijar outro homem em um bar de Camaçari, na Bahia, infelizmente, se repetem com frequência absurda no país e revelam, além do atraso, a ineficácia da Justiça.

Os números do preconceito religioso também assustam, num Estado supostamente laico, sobretudo com repetidos ataques a centros de crenças de matriz africana. Isso sem contar os casos de feminicídio, que cresceram 4% no Brasil em 2019, com alta ainda superior nos grandes centros urbanos. O desrespeito ao diferente nos assoberba todos os dias e a falta de punição à altura reforçam padrões de intolerância.

O outro iceberg cuja ponta foi exposta no vergonhoso episódio envolvendo Roberto Alvim é a polarização da cultura e sua consequente desvalorização – inclusive do ponto de vista econômico, pois se trata de uma atividade fomentadora, capaz de gerar milhares de empregos. Como disse o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, em repúdio ao grotesco vídeo do ex-secretário, “a arte é, na sua essência, transformadora e transgressora”. Sendo assim, ela vai sempre agradar e desagradar, na superfície, para remexer, demolir e reerguer as profundezas da nossa cultura.

A arte, como uma dolorosa injeção, vem para aliviar os males que nem sequer sabemos que carregamos; por isso, tem a liberdade como atributo inegociável. Nos regimes autoritários, de direita e de esquerda, a arte é encomendada para atender a preceitos ideológicos e estéticos. Perde totalmente o sentido, vira peça de propaganda.

Convidada para ocupar a Secretaria da Cultura, a atriz Regina Duarte terá uma árdua tarefa pela frente. Além de recuperar o prestígio da autarquia, deverá elevar a cultura à condição de origem: a de peça fundamental na representação do país. Se o fazer cultural representa o conjunto de hábitos, crenças e conhecimentos de um povo, é inaceitável que haja, em ações oficiais, qualquer tipo de segregação ou exclusão. A cultura reflete os anseios, inquietações e sonhos de todos os cidadãos. Se assim não o fizer, será apenas propaganda.


Publicidade