Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

A importância da ciência e tecnologia

Ciência é um investimento que todo país avançado prioriza, pois o retorno para a sociedade é enorme, apesar de lento e discreto


postado em 11/12/2019 04:00

Breno Rodrigues Lamaghere Galvão
Professor do Departamento de Química do Cefet-MG, 
pesquisador em química computacional e idealizador 
da tabela periódica na fachada do Cefet
 
 
 

Você acorda com o despertador do seu smartphone, toma café da manhã e escova os dentes. Essa rotina é, hoje, comum para a maioria dos brasileiros, mas não era poucas décadas atrás. Provavelmente, imagina que o smartphone era o link com a tecnologia nessa típica manhã. De fato, é uma parte legal dela, mas repare neste ponto menos óbvio: a síntese de fertilizantes a partir do nitrogênio do ar permitiu o cultivo de uma quantidade enorme de alimentos (incluindo o trigo, base do pão que você comeu), o que possibilitou acabar com um período de fome na Índia e na China e fornecer alimentos para metade do mundo. E sobre escovar os dentes? A adição de flúor na pasta e avanços na odontologia permitem que você termine a vida com os seus dentes – não foi o caso dos seus avós ou bisavós, que provavelmente usavam dentaduras.

Isso tudo para dizer o seguinte: o avanço da ciência e da tecnologia está sempre transformando nosso cotidiano de maneira extremamente positiva, porém, é gradual e passa sem ser notado. Naturalmente, não temos que ficar lembrando e agradecendo por cada benefício que a ciência nos proporcionou – são inúmeros, logo, seria impossível. Mas, quando ouvimos falar sobre ciência, um sininho deveria soar na nossa cabeça para lembrar: "Opa, isso é extremamente importante".

Há muitas vozes fortes contra a ciência, cada vez ganhando mais espaço. Veja este exemplo: a vacinação eliminou doenças perigosas que assolaram o planeta e diminuiu, imensamente, a taxa de mortalidade. Não há cientista sério que recomende a não vacinação. Ainda assim, cada vez mais pessoas estão convencidas de que as vacinas fazem mal. Se pensar dessa forma fosse algo inofensivo, sem consequências, seria apenas caso de má informação. Mas não. É uma questão de saúde pública e, caso muita gente deixe de se vacinar, doenças perigosas que já sumiram do planeta podem começar a voltar. No Brasil, o sarampo estava erradicado e voltou com força total no ano passado, justamente por se confrontar com uma população não imunizada.

Temos uma vida muito melhor devido à quantidade de informação, sinal de televisão, internet, GPS e rede móvel, graças a satélites que orbitam a Terra e que permitiram grandes avanços para a humanidade. É muito irônico que esses mesmos meios de comunicação, que só existem por causa dos avanços da ciência, sejam usados para negar fatos tão bem conhecidos, como a Terra ser esférica.

Não me entenda errado: duvidar é importante e os maiores avanços da ciência são feitos por mentes audaciosas, que questionam "dogmas" antigos. Einstein alterou a teoria de Newton sobre a gravidade e sobre o tempo, mas só teve capacidade de fazer isso depois de entender muito bem tudo que Newton desenvolveu. Sem a relatividade de Einstein, que inicialmente parecia uma curiosidade teórica sem aplicação prática, não teríamos chegado ao GPS. Há um grande abismo entre duvidar cientificamente e duvidar simplesmente por não gostar do que ouviu.

Finalmente, se você pensa que a pesquisa brasileira é pouco avançada e não merece atenção, saiba que da mesma maneira que não é fácil perceber como a ciência em geral afeta sua vida, também não é fácil perceber a importância dos nossos cientistas e da nossa ciência. Uma nova forma de extrair um minério pode acabar gerando rios de dinheiro para circular no país e novos empregos. O melhor entendimento de um fungo pode vir a deixar os nossos produtos alimentícios mais baratos. Tudo isso ocorre de forma lenta, sem virar notícia e sem que a maioria das pessoas perceba.

Mas, tenho também exemplos populares e que viraram notícia: o captopril (remédio usado mundialmente contra a hipertensão) surgiu ao se estudar o veneno da jararaca e a relação do zika vírus com a microcefalia, que foi descoberta dentro de nossos laboratórios. Ciência é um investimento que todo país avançado prioriza, pois o retorno para a sociedade é enorme, apesar de lento e discreto. O problema é que esse retorno é tão demorado que às vezes causa a impressão de que não veio. Espero que o leitor não caia nessa ilusão.



Publicidade