Publicidade

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 01/08/2019 04:05

CNJ 
Quem paga a conta 
do abuso é o povo 

Humberto Schuwartz Soares
Vila Velha – ES 

"No país do futebol e do carnaval, com 13 milhões de desempregados, a crise não atinge todos. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) existe há 15 anos e sua missão é aperfeiçoar o Judiciário brasileiro. O CNJ, há menos de três anos, gastou R$ 7 milhões para reformar três edifícios, dois cedidos gratuitamente pela União. Eles ocupam 12 mil metros quadrados (m2) na Asa Norte, a área central de Brasília, e o espaço médio dos seus ocupantes é de 15m² e distante 10 quilômetros do Supremo Tribunal Federal (STF). Na conclusão da reforma, em 9/9/2016, o então presidente do CNJ Ricardo Lewandowski elogiou as acomodações: 'Conseguimos uma nova sede, primorosa, que não fica a dever nada a outros prédios públicos'. O CNJ vai mudar de sede. Pasmem. A justificativa é dar mais espaço aos funcionários, média de 39m² para cada um, num prédio com 32.200m², e próximo ao STF. O gasto anual com aluguel e condomínio passará de R$ 16,8 milhões para R$ 23,3 milhões. A crise brasileira existe, mas não é para todos. Os três poderes são independentes, mas quem paga a conta somos nós, contribuintes."


GLENN
Não perde 
por esperar  

Antonio Jose Gomes Marques
Rio de Janeiro 

"Glenn Greenwald está reclamando porque os Estados Unidos estariam demorando para dar o visto de entrada no país para seus filhos. Mas ele esqueceu quando tudo isso começou em na sua vida. Sempre quem procura acha, e em geral, tudo que vai também vem, e na cara, com mais força. Ele não perde por esperar o que ainda está por vir. Afinal de contas, sendo petista e na ânsia de soltar Lula, fez com que ele se esquecesse de tomar certos cuidados que agora vai doer na pele."


AGROTÓXICOS
O lucro sempre
acima da saúde 

Jeovah Ferreira
Brasília

"Para uma alimentação saudável levemos dois fatores em consideração. O que será ingerido e sua forma de produção. Vivemos num país onde há exagero de pesticidas. A maior produtividade é o que interessa, e que se danem as nossas  vidas. Eles são utilizados na agricultura e permanecem nos alimentos, por mais cuidados que tenhamos. Eles nos oferecem grandes riscos. Eles poluem o solo e as águas, causando desequilíbrio ambiental, mas para nossas autoridades constituídas tudo isso é normal. É o lucro acima de tudo, nada mais interessa. É preciso dar  um basta, e isso exige pressa."


Publicidade