Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Clareza na política de preços

Não há orçamento que suporte as oscilações, quase sempre para cima, do valor do litro da gasolina e do diesel


postado em 18/04/2019 05:04

 

 







O presidente Jair Bolsonaro afirmou que “não quer” e “não pode” interferir na política de preços da Petrobras. O mesmo entendimento foi anunciado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele garantiu que a empresa está livre para fixar o valor do combustível. A decisão ocorre quase uma semana depois de o presidente ter brecado o reajuste de 5,7% no óleo diesel, atendendo a apelo dos caminhoneiros, com a justificativa de que precisava entender a fórmula de cálculo de aumento de preços usada pela estatal. A iniciativa foi desastrosa. O mercado reagiu à interferência, e o valor de mercado da empresa caiu mais de R$ 32 bilhões. Ontem, o presidente da empresa, Roberto Castello Branco, anunciou aumento de R$ 0,10 no litro do diesel, mas a periodicidade dos reajuste ainda não está definida.

No ar, pairou um de clima insegurança ante o gesto incoerente do governo, que defende uma economia liberal e a redução do Estado. O discurso do ministro, bem como o recado enviado pelo presidente, não bastam. É preciso que, na prática, seja cumprido o que foi prometido. A crise ainda não passou. A política de preços da Petrobras é um dos muitos nós a serem desatados na relação entre governo e consumidores. Entre eles, os caminhoneiros.

As providências anunciadas pela equipe econômica atendem parcialmente às reivindicações da categoria, além de serem medidas de médio e longo prazos, como a recuperação das rodovias, que exigirão vultosos investimentos. A criação de uma linha de crédito de R$ 500 milhões seria excelente não fosse o endividamento que a maioria dos autônomos enfrenta e, portanto, terá pouca utilidade.

A ameaça de paralisação, um dos motivos que levaram o presidente Bolsonaro a suspender o reajuste, não está totalmente dissipada. Líderes dos caminhoneiros não descartam a possibilidade de greve ante a indefinição do valor do piso mínimo de frete e a falta de clareza sobre a política de preços da Petrobras, que hoje prevê reajustes quinzenais. As equipes de Paulo Guedes e da estatal estudam alternativa para o impasse.

Transparência na formatação do preço dos combustíveis não interessa só aos caminhoneiros. Trata-se de demanda da sociedade. Não há orçamento que suporte as oscilações, quase sempre para cima, do valor do litro da gasolina e do diesel. Quando o valor cai, raramente chega aos consumidores com a mesma velocidade do aumento. O motorista vê o planejamento de gasto mensal derreter.

Os caminhoneiros elevam o custo do frete, o que impacta no preço final dos produtos para a população. Consumidores, empresários e autônomos esperam mais clareza nesse setor. Ninguém quer diesel no chope. A crise que afeta as contas do poder público é a mesma que oprime a maioria dos brasileiros.




Frases

"O Exército transpira e respira democracia e liberdade, que honra todos nós"

. Jair Bolsonaro, presidente da República, durante cerimônia de comemoração ao Dia do Exército
 
"Presidente da Petrobras sabe  que tem que trabalhar práticas de preços"
. Paulo Guedes, ministro da Economia, sobre os aumentos de preços dos combustíveis promovidos pela Petrobras 


Publicidade