Publicidade

Estado de Minas

Paixão que dá lucro

De olho no crescimento de adeptos a esse tipo de pescaria, lojas de equipamentos e acessórios em BH e região metropolitana incrementam estoques


postado em 22/09/2019 04:00 / atualizado em 20/09/2019 17:32

Guilherme Theodoro, o funcionário Israel Maciel e Maurício Teodoro na unidade do New Pesca no Betânia, onde o pescador encontra tudo que precisa (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Guilherme Theodoro, o funcionário Israel Maciel e Maurício Teodoro na unidade do New Pesca no Betânia, onde o pescador encontra tudo que precisa (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
 
O administrador de empresas Guilherme Teixeira Teodoro, de 35 anos, trabalhava com o pai, Maurício Miranda Teodoro, de 61, no setor de representação comercial desde os 12 anos. Maurício pensava em se aposentar e investir em algo que pudesse aproveitar sua experiência com os conhecimentos do filho.
 
Pescador de longos tempos, começou a pensar na possibilidade de trabalhar no ramo de pesca esportiva. “Tinha a intenção, mas não a certeza. Sempre que via uma rua movimentada em algum bairro, observava e procurava lojas para alugar.” Até que resolveu unir sua paixão pela pesca aos negócios. “Nascido para pescar, forçado a trabalhar”, brinca com o lema de seu empreendimento. Ao passar pelo Bairro Betânia e ver uma loja disponível, sugeriu ao filho montar a New Pesca, especializada em equipamentos e acessórios para pesca esportiva e camping. Recebeu muitos incentivos de amigos também pescadores, unindo também sua facilidade de contato com fornecedores. Foram investidos na primeira loja, aberta há dois anos, pouco menos de R$ 300 mil. Há um ano, ele abriu uma filial no Bairro Itaipu, na região do Tirol, limite entre BH e Ibirité.
 
“Abrimos uma loja sem formação de estoque”, conta o empresário. Todos os produtos foram para a exposição no estabelecimento. Observávamos os itens que tinham mais saída e o perfil dos clientes e fazíamos a reposição a cada semana”, conta Guilherme Teodoro, revelando que ambos estudaram muito as perspectivas de crescimento e as dificuldades, por se tratar de um mercado sazonal, já que há que se respeitar a piracema e a época de frio, quando a procura cai bem. “Mas o segmento camping e pesca envolve lazer familiar e não faz diferença de gênero, classe social ou gerações”, revela.
 
“O meio comercial do segmento mudou muito, especialmente com a entrada de vendas on-line. Hoje, temos campeonatos de pesca esportiva que envolvem materiais com kits no valor de até R$ 1.800. Temos eventos nacionais, como a Trade Show, este mês, em São Paulo. A internet ajuda a divulgar meios e materiais, mas o atendimento físico na loja faz a diferença. A questão de explicar presencialmente como o produto funciona faz a diferença. Muitas coisas são vistas na internet, mas podem gerar dúvidas.”
 
Seus clientes são, em sua maioria, pescadores esportivos que praticam em nove lagos existentes para essa finalidade na Região Metropolitana de BH. “A loja física nos dá mais visibilidade. Israel, nosso gerente, é profundo conhecedor do assunto.” Além de novidades que chegam à loja a cada 15 dias e todos os equipamentos para o lazer de acampar e pescar, a empresa oferece serviço de manutenção e prevenção de danos no equipamento. “O cliente compra um equipamento que custa R$ 600. Com o tempo, há desgaste, e ele volta e procura saber as novidades e o que fazer para maior durabilidade, já que o gerente presta esse atendimento.”

OFERTAS A New Pesca disponibiliza tudo que o pescador precisa, do material mais simples e tradicional, como o anzol, linha e vara de bambu, fibra, carbono, até o mais top de referência. “O pescador entra na loja sabendo o que vai encontrar e o que tem disponível para investir no que ele quer. Kit básico de R$ 10 até kit completo de R$ 1.800.”
 
Não há restrição de forma de venda. O pagamento à vista é premiado com um brinde ou desconto. Não tem restrição de parcelas no cartão e não há valor mínimo. “A questão é a nossa satisfação em lidar com lazer e em ver a volta do cliente.”
 
O último estudo de viabilidade em relação à prospecção de mercado e investimento mostrou que 33% do capital da loja vem da venda à vista, 33% de crédito e 33% no débito. Se for contar, 66% do capital é em dinheiro eletrônico, o que, de modo geral, não interfere no capital de giro, porque os pedidos são programados de acordo com a sazonalidade.
 
Como marketing, a empresa conta com o cartão de apresentação com calendário de pesca e anuncia em jornal local distribuído em todo o bairro. Quando a loja foi montada, a divulgação foi feita diretamente com cada lojista de diversos ramos.“Usamos também a parceria do ‘éoluizquetafalando’, um meio com grande capacidade de interação”, revela. Desde a montagem, a loja não passa 15 dias sem oferecer algo novo, seja na linha de cutelaria, acessórios, lanternas e balanças, sejam iscas artificiais, molinete e carretilha..
 
 


Publicidade