UAI
Publicidade

Estado de Minas

Varíola dos macacos: 'Brasil repete os mesmos erros cometidos com a covid', alerta presidente do Conass

O médico sanitarista Nésio Fernandes entende que a resposta do país à nova emergência de saúde pública está 'protocolar' e, em breve, pode se tornar insuficiente para conter a ameaça antes que ela se torne ainda mais grave.


26/07/2022 12:49 - atualizado 26/07/2022 13:57


Cientista pega pote de teste com os dizeres 'monkeypox virus'
Brasil precisa aprimorar testagem, políticas de saúde pública e vacinação, lista médico (foto: Reuters)

Ampliar a testagem, atualizar as orientações de isolamento de casos e correr atrás de vacinas.

Para o médico sanitarista Nésio Fernandes, presidente do Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass), essas são as três ações urgentes que o Brasil precisa tomar para conter a varíola dos macacos antes que ela se torne uma crise ainda mais grave.

O especialista, que também é secretário de Saúde do Espírito Santo, aponta que a resposta do país à nova doença é "protocolar" até agora e pode se tornar "insuficiente" nos próximos meses.

"Na nossa avaliação, o Brasil corre o risco de repetir os erros cometidos no começo da pandemia de covid-19", alerta.

"Com o coronavírus, não tivemos critérios de testagem para casos suspeitos logo no início. À época, isso impediu que o país conhecesse o real tamanho do problema com o qual estávamos lidando", contextualiza.

Fernandes explica que, no momento, existe uma espécie de "silêncio epidemiológico" sobre o vírus monkeypox, o causador da condição, em algumas regiões brasileiras.

Em outras palavras, isso significa que o patógeno pode estar se espalhando pela população sem que tenha sido detectado de forma adequada pelos serviços de saúde.

"Por ora, cada Estado está agindo de forma independente e tem critérios próprios de testagem e acompanhamento de casos", avalia.

"Precisamos de uma coordenação nacional para atualizar e padronizar a estratégia em todo o território e não permitir que o monkeypox se torne uma ameaça ainda maior."

"Sem coordenação nacional, a aquisição de insumos, medicamentos e tecnologias também fica muito mais difícil", completa.

De acordo com o portal Our World In Data, há mais de 17 mil casos confirmados de varíola dos macacos no mundo. Desses, 813 foram diagnosticados no Brasil.

'Questão de tempo'

Na avaliação de Fernandes, o decreto de emergência de saúde pública de importância internacional feito pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 23 de junho foi um acerto.

"A decisão permite acelerar ações de vigilância e desenvolvimento de tecnologias para responder rapidamente à doença."

"Sem esse estado de emergência, a comunicação e as ações para conter o problema variam muito de país para país", analisa.


Nésio Fernandes
Nésio Fernandes é secretário de Saúde do Espírito Santo e assumiu recentemente a presidência do Conselho Nacional de Secretários da Saúde, o Conass (foto: Reprodução/Redes sociais)

O médico sanitarista explica que, em aspectos como as características de transmissão e a ação dos patógenos, não faz sentido comparar o coronavírus e o monkeypox.

"Não podemos usar a covid como critério para reconhecer outras situações como uma emergência de saúde pública. A doença causada pelo monkeypox, mesmo com uma letalidade mais baixa, circula numa velocidade relevante e em proporções internacionais", diz.

Fernandes também argumenta que a noção distorcida de que a doença só acontece em grupos específicos, como jovens, gays, bissexuais ou homens que fazem sexo com homens, representa uma armadilha das grandes.

"É normal e esperado que algumas enfermidades afetem com mais frequência alguns grupos específicos", explica.

"Porém, pelas próprias características do monkeypox, é questão de tempo, talvez de apenas algumas semanas, para que ele comece a ser encontrado cada vez mais também em outros grupos, como heterossexuais ou idosos."

Mas o que precisa ser feito?

Questionado pela BBC News Brasil sobre quais são as ações concretas que o Brasil precisa tomar agora para lidar com o monkeypox, o presidente do Conass resumiu a necessidade de mudar as políticas públicas em três aspectos.

Primeiro, reconhecer que todos os Estados estão em risco e já devem ter a transmissão comunitária deste vírus.

"A partir disso, precisamos aumentar a nossa capacidade de testagem e ampliar a suspeita clínica, que define quando uma pessoa deve passar por um exame desses", sugere.

Em segundo lugar, Fernandes diz que é preciso ter uma atenção especial com os critérios de isolamento dos casos confirmados — a principal forma de transmissão do patógeno acontece por meio do contato direto com as feridas de um paciente. Outras vias infecção são gotículas de saliva e o compartilhamento de objetos contaminados.

A restrição de contato de alguém que está com a varíola dos macacos é essencial para quebrar as cadeias de transmissão do vírus na comunidade e impedir um aumento ainda mais acelerado do número de casos.

"Nos preocupa o cenário atual, em que se recomenda apenas o isolamento de quem teve contato direto com alguém infectado. Vemos que, em muitos casos, a doença evolui com sintomas leves e poucas lesões, que podem passar despercebidos", avalia.

"Deveríamos ter medidas objetivas de saúde pública e criar uma comunicação clara sobre o que fazer", complementa.


Profissional de saúde segura vacina contra monkeypox
Alguns países já começaram a vacinação contra a varíola dos macacos (foto: Reuters)

A terceira e última ação urgente, na visão do especialista, é acelerar a busca por vacinas que protegem contra a enfermidade.

"O Brasil está lento e precisa de esforços mais vigorosos para adquirir esses imunizantes", critica.

"Fora que nós temos no país instituições reconhecidas internacionalmente, que poderiam ser mobilizadas para a produção desta vacina. Nosso país também tem um peso internacional grande, e poderia utilizar essa influência na OMS ou no mercado para garantir as doses", indica.

"Precisamos entender que o Brasil é um ponto de grande circulação de pessoas. Ter essa doença descontrolada no nosso país representa um risco não só para nós, mas para a América Latina e o mundo inteiro."

Por fim, o sanitarista entende que ainda há tempo de controlar a crise sanitária relacionada ao monkeypox.

"Se tivermos respostas atualizadas, que aumentem a testagem, o bloqueio da transmissão e a vacinação, podemos falar num controle dessa doença ao longo dos próximos anos", acredita.

"Porém, os países que subestimarem o monkeypox agora, terão um impacto muito maior", conclui.

A BBC News Brasil entrou em contato com o Ministério da Saúde para buscar um posicionamento oficial a respeito das ações que estão sendo tomadas para lidar com a varíola dos macacos no país, porém não recebemos nenhuma resposta até a publicação desta reportagem.

- Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-62309648

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade