UAI
Publicidade

Estado de Minas GERAL

Estudo aponta maior capacidade de transmissão da Ômicron, mas menor severidade


17/12/2021 12:14

Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de Hong Kong (HKUMed, na sigla em inglês) analisou a capacidade de replicação da variante Ômicron e indicou que ela pode ser de fato mais transmissível, porém, causar quadros infecciosos menos severos. Os pesquisadores destacaram que, mesmo com severidade reduzida, o risco global da linhagem é "provavelmente muito significativa".

Para chegar aos resultados, os cientistas utilizaram tecidos pulmonares para analisar como a cepa original do novo coronavírus, a Delta e a Ômicron infectam o trato respiratório humano. A pesquisa ainda está sendo analisada por pares antes de ser publicada em uma revista científica, informou a instituição de ensino.

A análise apontou que, quando comparada às outras duas cepas, a Ômicron se multiplica 70 vezes mais rapidamente nos brônquios humanos (estruturas com formato de tubo que ligam traqueia e pulmões, cuja função é encaminhar ar para esses órgãos). Isso pode explicar por que a linhagem detectada na África do Sul é mais transmissível - como indicaram evidências preliminares citadas pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS).

No tecido pulmonar, formado pelos alvéolos (responsáveis pela troca gasosa que leva oxigênio ao sangue), no entanto, a replicação da nova variante parece ser menos eficiente, um indício de que a doença causada por ela pode ser menos severa. A Ômicron se multiplica cerca de 10 vezes mais devagar do que a Delta e a original, apontou o estudo.

Em quadros graves da covid, o vírus ataca principalmente os alvéolos. A inflamação desses "sacos de ar" os enche de líquido, o que prejudica a troca gasosa. Assim, o sangue não consegue receber a quantidade adequada de oxigênio nem eliminar o gás carbônico, causando falta de ar.

Michael Chan Chi-wai, líder da pesquisa, destacou, em nota, que a severidade de uma doença não é determinada apenas pela capacidade de replicação do vírus, dependendo também da resposta imune do paciente. "Ao infectar muito mais pessoas, um vírus infeccioso pode causar doenças mais graves e morte, embora o vírus seja menos patogênico", alertou.

Chi-wai também citou que estudos recentes feitos pelas equipes dele mostraram que "a variante Ômicron pode escapar parcialmente da imunidade proporcionada pelas vacinas e infecções anteriores". Por isso, avalia que a ameaça global da nova cepa é "provavelmente muito significante".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade