UAI
Publicidade

Estado de Minas SÍMBOLOS

Neonazismo: homens pedem tatuagem de suástica, mas tatuadores se negam

Tatuadores relatam a experiência de lidar com clientes neonazistas; no Brasil, enaltecer ou utilizar símbolos do nazismo é crime


25/11/2021 16:28 - atualizado 25/11/2021 18:04

Tatuador de SP
Bruno Moreira, tatuador paulista, se recusou a tatuar uma bandeira nazista em cliente (foto: Arquivo Pessoal/Reprodução )
Não é incomum tatuadores receberem pedidos inusitados de tatuagens. De desenhos obscuros a frases fofas e figuras exóticas, o cotidiano de inúmeros profissionais da área é definido pela diversidade dos desejos dos clientes.

No entanto, por vezes, alguns tatuadores de deparam com pedidos de natureza racista ou fascista. É o caso do paulista Bruno Moreira, e do belo-horizontino Giovanni Fortini, que relataram ao Estado de Minas suas experiências. 

"Pedidos com detalhes diferentes nas tatuagens por aqui no estúdio são comuns, mas esse realmente foi o pior”, contou Bruno. O tatuador recusou o pedido e devolveu o dinheiro para o cliente. 

Quanto a Fortini, ao relembrar o dia, ele explica que se sentiu “extremamente desconfortável” e também negou a tatuagem. “Expliquei para ele que não o faria, pois ia contra tudo o que eu acreditava, e na contramão de toda minha ideologia de vida”. 

No Brasil, enaltecer, distribuir ou veicular símbolos ligados ao nazismo - incluindo tatuagens - é crime penal, determinado pela Lei 7.716/89. 

"Algumas pessoas deturpam o direito à liberdade de expressão e querem usá-la para disseminar o ódio, atropelando momentos catastróficos de nossa história e ignorando todo o sofrimento de um pais"

Giovanni Fortini, tatuador



Desafios de lidar com clientes neonazistas 


Foi de forma sutil que o pedido do desenho da suástica chegou para Bruno,  em seu estúdio em São Paulo. “Um cliente chegou querendo fazer uma tatuagem toda trabalhada: uma caveira com cobra e algumas flores. Até aí tudo seguindo bem”, detalhou. A bandeira da suástica estava escondida, na verdade, entre os detalhes e só foi vista quando a tatuagem já estava sendo feita. 
 
Giovanni Fortini
Com anos no mercado, o tatuador mineiro Giovanni Fortini se recusou a tatuar a suástica, símbolo do nazismo (foto: Arquivo Pessoal/Reprodução )
 

Para Bruno, a experiência foi um caso isolado, mas que deixou claro a necessidade de defender o direito de escolha do tatuador. "Como um artista, o tatuador tem todo o direito de escolher que tipo de arte aceita fazer em seus clientes, por isso recusei”. 

Ao falar mais sobre sua experiência, Fortini afirmou que chegou a questionar o homem. “Eu quis entender o porquê daquela pessoa querer representar um símbolo de ódio em seu corpo e me recordo que nem ele sabia explicar”. 

Residente, atualmente, em Brasília-DF, na época o tatuador trabalhava em um estúdio no Rio de Janeiro. Com anos de experiência no mercado, esta também foi uma situação isolada para Fortini. “Aquele fatídico dia foi a primeira e última vez. Algumas pessoas deturpam o direito à liberdade de expressão e querem usá-la para disseminar o ódio, no final conseguimos contornar a situação e ele foi embora”, finalizou. 

* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 





receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade