UAI
Publicidade

Estado de Minas DOENÇA

Fiocruz analisa dois casos suspeitos de vaca louca no Rio de Janeiro

Pacientes estão com suspeita da forma esporádica da Doença de Creutzfeldt-Jakob, que não envolve consumo de carne


11/11/2021 16:43

Fachada da Fiocruz
(foto: Erasmo Salomão/Ministério da Saúde)
O Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) esclareceu, por meio de nota nesta quinta-feira (11/11), que os dois  pacientes internados para investigação de Encefalopatia Espongiforme Bovina (“doença da vaca louca”) estão com suspeita da forma esporádica da Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ), considerando os aspectos clínicos e radiológicos.

De acordo com o instituto, esta forma esporádica não tem relação com o consumo de carne. O instituto reitera que os pacientes estão internados no Centro Hospitalar para a Pandemia de Covid-19 do INI e que ambos os casos não tem confirmação diagnóstica. Detalhes que possam identificar os pacientes não serão divulgados em respeito à confidencialidade da relação médico-paciente, de acordo com o estabelecido pelo Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina.

O instituto não divulgou informações sobre o sexo e as identidades dos pacientes. A Prefeitura de Duque de Caxias confirmou, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, que um paciente do sexo masculino, com 55 anos de idade e residente no segundo distrito do município, está sendo acompanhado por suspeita de contaminação pela doença.

Em nota, a prefeitura de Duque de Caxias afirmou que os sintomas apresentados pelo paciente foram demência e ataxia (perda ou irregularidade da coordenação muscular). O mal da vaca louca é uma doença cerebral em bovinos adultos que pode ser transmitida aos seres humanos por carne contaminada.

Após suspeitas, a Prefeitura de Belford Roxo informou em nota que não foi notificada sobre nenhum caso da doença da Vaca Louca no município. No início do mês houve uma notificação de uma pessoa com febre maculosa (doença causada pelo carrapato), mas a suspeita não foi confirmada. A Prefeitura também destacou que todo o rebanho do município, que conta com cerca de 600 animais, foi vacinado contra a febre aftosa (doença infecciosa aguda que causa febre) na primeira etapa, realizada em maio. A última fase será na segunda quinzena de novembro.

Em setembro deste ano, a Organização Mundial de Saúde Animal informou que os dois casos atípicos do mal da vaca louca, foram registrados em frigoríficos de Belo Horizonte e na cidade de Nova Canaã do Norte (MT). A conclusão foi divulgada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

À época, o registro dos dois casos provocou a suspensão das exportações para a China, em cumprimento ao protocolo sanitário firmado entre o país e o Brasil. De acordo com investigação da Organização Mundial de Saúde Animal, que investigou os casos, estes episódios não representam risco para a cadeia de produção bovina do país.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade