UAI
Publicidade

Estado de Minas VACINAÇÃO

COVID-19: Pfizer pedirá liberação de vacina para crianças à Anvisa

O pedido será enviado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária em novembro. O imunizante tem uma eficácia de 90,7% no público de 5 a 11 anos


27/10/2021 13:59 - atualizado 27/10/2021 14:55

Frasco da Pfizer
Vacina da Pfizer é a única utilizada em adolescentes de 12 a 17 no Brasil (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
A Pfizer confirmou nesta quarta-feira (27/10), que solicitará uma autorização para a aplicação da vacina contra a COVID-19 em crianças de 5 a 11 anos . O pedido será enviado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em novembro, de acordo com a fabricante, que obteve parecer favorável do conselho externo da agência reguladora nos Estados Unidos para a vacinação desta faixa etária, mas a liberação ainda depende de aval.

A empresa não informou a data de quando enviará o pedido. "A submissão do pedido junto à Anvisa para a aprovação do uso da vacina ComiRNAty, da Pfizer/Biontech, para crianças entre 5 e 11 anos deve ocorrer ao longo do mês de novembro de 2021", informou por meio de nota.

Na terça-feira (26/10), um comitê externo de aconselhamento da FDA, agência reguladora dos Estados Unidos,  recomendou a aplicação da vacina para a faixa etária de 5 a 11 anos . A decisão não é final, mas o órgão oficial costuma seguir as indicações do conselho, segundo o jornal The New York Times .

Caso seja aprovada pela FDA, a previsão é que a vacina possa ser aplicada nas crianças estadunidenses a partir da próxima semana , com uma dosagem de um terço da aplicada nos adultos.

Na última sexta-feira, a farmacêutica fez uma requisição formal ao órgão, afirmando que o imunizante tem uma eficácia de 90,7% no público de 5 a 11 anos.

Na solicitação aprovada pelo comitê independente da FDA, o intervalo recomendado é de três semanas entre as duas doses.

No Brasil, a vacina desenvolvida pela Pfizer com a BioNTech é a única autorizada para aplicação em adolescentes de 12 a 17 anos.

Especialistas ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo afirmam que, caso a FDA aprove a aplicação do imunizante em crianças, a decisão pode pesar favoravelmente para que a Anvisa faça o mesmo no Brasil.

Ainda assim, é necessário que a Pfizer submeta um pedido formal à agência brasileira e entregue os documentos necessários para a comprovação da eficácia e segurança.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade