UAI
Publicidade

Estado de Minas GERAL

Procuradoria vai à Justiça para regularizar fornecimento de imunoglobulina no SUS


26/09/2021 20:36

O Ministério Público Federal entrou com ação civil pública para que o Ministério da Saúde normalize a aquisição e posterior distribuição de imunoglobulina humana no Sistema Único de Saúde (SUS). O abastecimento da medicação está irregular desde 2019, quando o contrato com um fornecedor nacional foi descontinuado.

Usado em pacientes com problemas de imunodeficiência e também pessoas com infecções bacterianas e virais graves, incluindo por coronavírus, o medicamento é produzido a partir de plasma humano. Há poucos fornecedores no País, que dependem de insumos importados. As informações foram divulgadas pela Procuradoria.

De acordo com o MPF, o Ministério da Saúde adquire a imunoglobulina exclusivamente de empresas estrangeiras, cujos produtos não possuem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária, desde 2020.

"As compras são feitas com base em autorizações excepcionais, que têm sido prorrogadas indefinidamente. Isso gera uma situação de risco para os pacientes, já que a análise excepcional não é a mesma que aquela realizada quando um medicamento é registrado. Além disso, o desabastecimento foi apenas atenuado. Frequentemente há relatos de indisponibilidade do medicamento no SUS", frisou a Procuradoria em nota.

O órgão indica que o quadro se agravou com a pandemia de coronavírus, considerando que o número de doadores de plasma caiu drasticamente em todo o mundo, o que elevou o preço do produto. Em paralelo, houve aumento da demanda, já que a imunoglobulina humana é usada para tratar alguns casos de covid-19, indica ainda o MPF.

Em meio a esse contexto, a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) reduziu o Preço Máximo de Venda ao Governo (PMVG), que passou de R$ 1.046,71 para R$ 1.003,01.

"As empresas nacionais, que comumente vinham participando dos processos licitatórios para fornecimento do medicamento ao Ministério da Saúde, hoje já não têm mais interesse em comercializar esse produto no Brasil face aos custos de sua produção e a defasagem em relação ao preço de compra oferecido pelo governo federal", ressalta o MPF.

A Procuradoria pede à Justiça que defira uma liminar obrigando a União a apresentar um plano de ação, a ser executado em seis meses, "para a solução definitiva do fornecimento, seja com o incentivo para o registro de novos medicamentos junto aos órgãos sanitários nacionais, seja com a revisão do preço máximo de venda ao governo, seja por meio de negociação com fabricantes brasileiros, seja de outra forma que entender adequada, desde que garanta o fornecimento de medicamento seguro e eficaz em território nacional".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade