UAI
Publicidade

Estado de Minas ALERTA VERMELHO

Desmatamento na Amazônia pode ter chegado a ponto irreversível, diz estudo

Estudo recomenda ainda uma moratória imediata na derrubada da floresta em áreas que já estão atingindo o ponto de inflexão


22/09/2021 07:47

None
(foto: Ascom/CBPA - 18/9/19)
Um estudo divulgado ontem por cientistas e ambientalistas lançou um "alerta vermelho" para a possibilidade de o desmatamento da Amazônia ter chegado a um ponto de não retorno. O estudo recomenda ainda uma moratória imediata na derrubada da floresta em áreas que já estão atingindo o ponto de inflexão.

O documento - Sumário Executivo do Relatório de Análise da Amazônia - foi publicado pelo Painel Científico para a Amazônia (SPA), por ocasião da abertura, ontem, da 76ª Assembleia Geral da ONU, em Nova York. Desenvolvido por mais de 200 cientistas, e inspirado no Pacto de Letícia pela Amazônia, o relatório é o mais aprofundado, abrangente e integrador estudo sobre a Amazônia, segundo seus formuladores.

Os autores afirmam que as recomendações e informações do estudo oferecem caminhos a formuladores de políticas e governos na busca do desenvolvimento sustentável da região. O documento destaca a importância da ciência, da tecnologia, da inovação, dos povos indígenas e do conhecimento local para orientar as tomadas de decisão e a formulação de políticas.

De acordo com o relatório, a Amazônia abriga 47 milhões de pessoas, incluindo 2,2 milhões de Indígenas, distribuídos em mais de 400 grupos que falam mais de 300 línguas. "Essas pessoas, populações indígenas e comunidades locais desempenham um papel fundamental na conservação e na gestão sustentável da diversidade agrícola e biológica da Amazônia, bem como dos ecossistemas. No entanto, os povos amazônicos, suas culturas e conhecimentos estão sob ameaça devido às múltiplas pressões e ao enfraquecimento da proteção de seus direitos", afirma o documento.

"Salvar as florestas do desmatamento e degradação contínuos e restaurar os ecossistemas é uma das tarefas mais urgentes de nosso tempo para preservar a Amazônia e suas populações, e enfrentar o risco global e os impactos das mudanças climáticas", afirmou Mercedes Bustamante, uma das autoras do estudo. "O mosaico de ecossistemas amazônicos se estende desde os altos Andes até a planície amazônica e abriga a biodiversidade mais extraordinária da Terra, com mais de 10% das espécies vegetais e animais em todo o mundo."

De acordo com o trabalho, aproximadamente 17% das florestas amazônicas foram convertidas para outros usos da terra, e, pelo menos, outros 17% foram degradados. Os especialistas estimam que 366.300 km 2 de florestas foram degradados entre 1995 e 2017, e todos os anos milhares de hectares de florestas, a maioria degradadas, queimam em toda a Bacia Amazônica à medida que os incêndios escapam de pastagens próximas ou áreas recentemente desmatadas.

* Estagiária sob supervisão de Odail Figueiredo


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade