Publicidade

Estado de Minas COVID-19

PSOL pede ao STF para restabelecer vacina de grávidas e puérperas sem comorbidade

O partido questiona notas técnicas do Ministério da Saúde que paralisaram a imunização do grupo


25/05/2021 15:13 - atualizado 25/05/2021 15:36

(foto: Divulgação/Governo Federal)
(foto: Divulgação/Governo Federal)

O PSOL acionou o Supremo Tribunal Federal na última sexta, 21, buscando a retomada da vacinação contra a COVID-19 de todas as gestantes e puérperas no País, com imunizantes produzidos pela Pfizer ou pelo Instituto Butantan, alternativamente aos da AstraZeneca/Oxford/Fiocruz. O partido questiona notas técnicas do Ministério da Saúde que paralisaram a imunização do grupo 'em contrariedade à mais recente versão do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a COVID-19'.

O partido sustenta que embora a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) tenha recomendado apenas a suspensão temporária da utilização da vacina AstraZeneca nessa população, notas técnicas do Ministério da Saúde 'não só interromperam a vacinação de gestantes e puérperas com tal imunizante, como também recomendaram a suspensão da vacinação de todas as gestantes e puérperas sem comorbidades', inclusive com outras vacinas disponíveis no Plano Nacional de Imunização (PNI).

As informações foram divulgadas pelo Supremo Tribunal Federal.

"A medida, que extrapolou a recomendação da agência reguladora, foi adotada sem qualquer respaldo técnico, uma vez que os dados utilizados para justificar a suspensão da vacinação são, em verdade, favoráveis à imunização de grávidas e puérperas", destaca o PSOL.

A legenda sustenta que o Ministério da Saúde utilizou um evento considerado extremamente raro pela literatura médica até o momento - a morte de uma gestante, no Rio de Janeiro, após receber o imunizante da Oxford/Fiocruz - 'para restringir severamente a vacinação de mulheres gestantes e puérperas'.

"A paralisação da imunização de todas as gestantes e puérperas sem comorbidades, de forma a não fornecer-lhes a possibilidade de vacinação com outros imunizantes contemplados pelo PNI, mostra-se não somente medida atentatória aos direitos fundamentais à vida, à saúde, à dignidade da pessoa humana, à maternidade e à igualdade de gênero, mas também em completa dissonância com a recomendação da Agência de Vigilância Sanitária e as evidências técnico-científicas que a fundamentam", argumenta o partido.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade