Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Funcionária que morreu após recusar vacina não era enfermeira, diz hospital

Complexo Hospital Manoel André, em Alagoas, informou que Priscila Veríssimo era recepcionista e não emitia opiniões políticas no ambiente de trabalho


26/02/2021 18:55

Priscila Veríssimo, de 35 anos, era enfermeira e atuava na linha de frente da COVID-19(foto: Reprodução/Redes Sociais)
Priscila Veríssimo, de 35 anos, era enfermeira e atuava na linha de frente da COVID-19 (foto: Reprodução/Redes Sociais)
A funcionária de um hospital em Alagoas, que morreu de reinfecção de COVID-19 após recusar a vacina contra a doença era recepcionista na unidade, e não enfermeira. Segundo uma nota publicada no site do Complexo Hospitalar Manoel André (Chama) nesta sexta-feira (26/02), Priscila Veríssimo, de 35 anos, também não foi demitida por ter se recusado a tomar o imunizante e, sim, afastada após ter contraído a doença. 

enfermeira, exercia a função de recepcionista e não houve qualquer ato de demissão, exerceu
normalmente suas atividades até o dia 12 de fevereiro, quando foi afastada com sintomas da
doença e posteriormente veio a óbito na condição de funcionária”, afirmou o hospital de Arapiraca, em nota. 

Nas redes sociais, Priscila mantinha uma postura negacionista em relação à pandemia e compartilhava frequentemente vídeos do presidente Jair Bolsonaro na conta do Facebook. O hospital ressaltou que ela não emitia opiniões pessoais sobre a COVID-19 no hospital

“Reconhecida por sua simpatia e excelência nas atividades laborativas, Priscila nunca
expôs opinião ou posicionamento político em seu ambiente de trabalho, tampouco, realizou
qualquer manifestação sobre a eficácia ou não da vacina contra o coronavírus”, completou o hospital. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade