Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19 em Manaus: nova variante do vírus é encontrada em 85% de amostras

Avaliação foi feita por pesquisadores britânicos e brasileiros em um estudo preliminar com 142 amostras


27/01/2021 18:08 - atualizado 27/01/2021 18:14

A cepa foi identificada, inicialmente, em amazonenses que viajaram ao Japão (foto: Pixabay/Reprodução)
A cepa foi identificada, inicialmente, em amazonenses que viajaram ao Japão (foto: Pixabay/Reprodução)
Um levantamento preliminar feito pelo Centro Brasil-Reino Unido de Descoberta, Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus (Cadde), que reúne pesquisadores brasileiros e britânicos, identificou a nova linhagem do novo coronavírus, chamada P.1, em 85,4% dos casos analisados com confirmação para a doença em pacientes de Manaus.

O resultado sugere que, assim como o montante analisado, as recentes infecções ocorridas na capital amazonense são causadas por essa nova mutação, a mesma já encontrada em São Paulo.

 O grupo analisou 142 amostras de diferentes períodos do ano e em 76 delas foi identificada a variante P.1. Por ser nova, a primeira vez em que apareceu foi nos exames realizados em dezembro, já sendo responsável por 52,2% das infecções por COVID-19 analisadas e saltando, em janeiro, para 85,4%.

A linhagem é descendente da B.1.1.28 e, também, inclui mutações como E484K, K417T e N501Y.

A cepa foi identificada, pela primeira vez, em amazonenses que viajavam para o Japão.

As autoridades sanitárias do país foram quem fizeram a descoberta, indicando que essa pode ser uma variante emergente do Amazonas.

Desde então, a mutação também já foi identificada no Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos e Itália.

Alto poder de transmissão


Apesar dos indicativos de alta transmissão da P.1 ocorrendo no Amazonas, somente nessa terça-feira (26/1) houve a confirmação de registro da variante em outra unidade federativa brasileira.

O Instituto Adolfo Lutz identificou a nova variante em três pacientes de São Paulo. A suspeita, no entanto, é que já exista mais estados com circulação da P.1, mas que ainda não fizeram o sequenciamento necessário para rastrear, isolar e monitorar os locais.

Além da carência de sequenciamento, a preocupação adicional é com o alto poder de transmissão da cepa, como corrobora a avaliação do Cadde.

"O recente surgimento de variantes com múltiplas mutações compartilhadas no pico aumenta a preocupação sobre a evolução convergente para um novo fenótipo, potencialmente associado a um aumento na transmissibilidade ou propensão para reinfecção de indivíduos", alerta o grupo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade