Publicidade

Estado de Minas GERAL

Brasil registra 3 mortes por síndrome infantil possivelmente ligada à covid


13/08/2020 19:58

Uma síndrome rara possivelmente relacionada à covid-19 e que ocorre em crianças e adolescentes já causou a morte de três pessoas no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. Até julho, 71 casos tinham sido registrados nos Estados de Ceará (29), Rio de Janeiro, (22), Pará (18) e Piauí (2). Os três óbitos foram no Rio. Na semana passada, a pasta informou que está monitorando a nova doença. Já a Sociedade Brasileira de Pediatra (SBP) divulgou uma nota de alerta para que a notificação seja obrigatória.

Descrita como síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P), o quadro pode afetar crianças de sete meses a adolescentes até 16 anos, segundo o ministério, e pode ser uma reação grave e tardia à infecção pelo novo coronavírus.

Os primeiros relatos de um conjunto de sintomas pouco comum foram vistos na Europa, no final de abril, quando os serviços de saúde do Reino Unido e da França reportaram alguns casos. No começo de maio, teve-se notícia de 15 crianças hospitalizadas em Nova York, nos Estados Unidos. Atualmente, há relatos de mais de 300 casos em todo o mundo.

Embora a maioria dos casos registrados no Brasil esteja associada a exames laboratoriais que diagnosticaram infecção atual ou recente pelo novo coronavírus, o ministério ressalta que ainda não há confirmação de causa e efeito. A pasta destaca que as ocorrências são raras diante do número maior de crianças e adolescentes que evoluíram bem após contrair o vírus.

Em 7 de agosto, a SBP divulgou uma nota de alerta para reforçar a necessidade de notificação obrigatória da síndrome em todo o País. "As crianças e adolescentes que manifestam a SIM-P são habitualmente saudáveis, mas podem apresentar alguma doença crônica preexistente, particularmente doenças imunossupressoras", dizem os especialistas que elaboraram o documento.

Sintomas

Logo no início das notificações em outros países, os sintomas relatados foram associados aos da síndrome de Kawasaki, uma inflamação sistêmica de causa ainda conhecida e mais comum na Ásia. Febre, dor de garganta, conjuntivite, manchas no corpo, vermelhidão na sola dos pés e na palma das mãos são alguns sinais relatados. A principal complicação é a ocorrência de aneurismas na artéria coronária, que se não for tratada adequadamente pode levar à morte.

Efeitos do coronavírus em crianças e adolescentes também têm despertado interesse de gestores, pressionados para decidir sobre retomada de aulas presenciais. Pesquisas preliminares mostram que as crianças se infectam de forma menos grave e transmitem menos a doença, mas há registros de países com alta de infecções após reabrirem colégios, como Israel. Já na Suécia estudos indicam que a volta às escolas não resultou em maior contágio.

No campo educacional, a falta de aulas em classe têm criado prejuízos à aprendizagem e ao desenvolvimento, perda do convívio social, problemas de saúde mental ou nutricionais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade