Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

Brasil não atingiu imunidade de rebanho em nenhuma cidade, diz OPAS

Para alcançar essa situação, é preciso que entre 50% e 80% da popuplação esteja imune ou infectada pelo vírus


postado em 14/07/2020 14:38 / atualizado em 14/07/2020 17:39

Diretor da Opas disse que custo é muito alto e que a proteção coletiva é uma estratégia equivocada(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A. Press)
Diretor da Opas disse que custo é muito alto e que a proteção coletiva é uma estratégia equivocada (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A. Press)
O diretor para doenças infecciosas da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), Marcos Espinal, apontou nesta terça-feira, 14, que não há evidências de que o Brasil ou alguma área do país tenha atingido a imunidade de rebanho contra a COVID-19. O termo é usado pra definir uma situação de proteção coletiva, em que grande parte da população está imunizada e impede o surto de se alastrar.

"Para atingir essa imunidade, é estimado que entre 50% e 80% da população de determinado local precisa estar imune ou ter sido infectada pelo vírus", responde Espinal quando questionado sobre a situação de Manaus. Ele citou um estudo que aponta que apenas 14% dos moradores da capital do Amazonas têm anticorpos contra o novo coronavírus. "Isso não é imunidade de rebanho".

O diretor também alerta que adotar essa proteção coletiva para combater a transmissão da doença é uma estratégia equivocada. "Não recomendamos. O custo - de vidas humanas, econômico e de saúde - é muito alto". Outra justificativa para não adoção dessa medida é a falta de conclusões sobre o tempo que dura a imunidade contra a COVID-19. Espinal aponta um estudo que diz que dura apenas três meses.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade