Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS NO BRASIL

Brasil passa de 50 mil mortes por COVID-19, segundo consórcio de jornais

Números oficiais do Ministério da Saúde indicam 49.976 óbitos


postado em 20/06/2020 18:15 / atualizado em 20/06/2020 22:14

Números oficiais do Ministério da Saúde indicam 49.976 óbitos(foto: EM/D.A. Press)
Números oficiais do Ministério da Saúde indicam 49.976 óbitos (foto: EM/D.A. Press)
O Brasil atingiu 50.058 mortes por COVID-19 neste sábado, de acordo com o levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa junto a secretarias estaduais de Saúde. Só entre sexta-feira e este sábado, houve 968 óbitos no país. Os casos confirmados chegaram a 1.070.139, 30.972 a mais que no dia anterior.

Os números divergem do balanço oficial do Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Para o Conass, foram registrados mais 1.022 óbitos pela COVID-19 nas últimas 24 horas, o que deixa o Brasil com 49.976 vítimas. O país ainda teve um acréscimo de 34.666 casos confirmados da doença, alcançando um total de 1.067.579 pessoas infectadas.

As estatísticas divulgadas pelo Conass bateram com o balanço oficial do Ministério da Saúde. Segundo a pasta, o Brasil chegou a 520.734 pacientes recuperados desde o início da pandemia. Outras 496.869 pessoas estão em acompanhamento em casa ou em unidades de saúde.

Ainda de acordo com as informações do boletim, a taxa de letalidade no país é de 4,7% e a taxa de mortalidade é de 23,8 pacientes a cada 100 mil habitantes. A taxa de incidência da doença é de 508 pessoas por 100 mil habitantes.

São Paulo e Rio de Janeiro seguem como os estados com números mais altos de incidência da doença no país.

Com mais 4.135 registros de casos nas últimas 24 horas, São Paulo alcançou neste sábado 215.793 confirmações de infecção pelo novo coronavírus. O número de óbitos chegou a 12.494, com 262 mortes a mais do que na sexta-feira.

Já o Rio de Janeiro registrou 229 mortes por COVID-19 nas últimas 24 horas. Com os novos óbitos, o total de vítimas da doença chegou a 8.824. No estado, 95.537 pessoas já testaram positivo para a doença.

Em Minas, o número de pessoas que testaram positivo aumentou em 1.253, saltando de 26.052 na sexta-feira para 27.305 casos, uma ampliação de 4,8%. Ao todo, já morreram 636 pacientes vítimas da COVID-19 no estado.

O Ministério da Saúde divulgou orientações para a "retomada segura das atividades e o convívio social seguro". O texto traz recomendações gerais sobre distanciamento social, etiqueta respiratória, higienização de ambientes e uso de equipamentos de proteção individual, como máscaras e também orienta a elaboração de "plano de ação para a retomada" por todos os setores.

A portaria, no entanto, reconhece que cabe às autoridades locais avaliar o cenário epidemiológico para afrouxar ou não restrições contra a COVID-19.

Para especialistas, não só o Brasil começou o relaxamento das medidas de isolamento social no momento errado, quando a curva ainda está na ascendente, como não tomou as medidas necessárias para evitar novos surtos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) mostrou preocupação com a capacidade de leitos do Brasil, mas afirmou que o "país tem dado conta". O diretor do órgão, Michael Ryan aconselhou que governo e sociedade civil trabalhem juntos contra a disseminação da COVID-19.

Ao mesmo tempo que prefeitos e governadores discutem sobre a flexibilização do isolamento social, o Brasil chega ao seu período mais devastador do coronavírus. Especialistas apontam que julho pode ser o auge do pico no país, com possibilidade de estabilização a partir de agosto

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade