Publicidade

Estado de Minas CRIME

Mãe confessa assassinato de garoto de 11 anos no Rio Grande do Sul

Corpo do menino foi encontrado numa casa abandonada, ao lado da residência onde vivia a família. A morte ocorreu depois de a criança ingerir medicação indevida


postado em 25/05/2020 19:27 / atualizado em 25/05/2020 19:41

Alexandra Dougokenski confessou à polícia ter assassinado o próprio filho em 15 deste mês(foto: Reprodução)
Alexandra Dougokenski confessou à polícia ter assassinado o próprio filho em 15 deste mês (foto: Reprodução)
 
Depois de 10 dias de buscas, a Polícia Civil encontrou o corpo do garoto Rafael Mateus Winques, de 11 anos, em uma casa abandonada no município de Planalto, que fica a 406 quilômetros de Porto Alegre. De acordo com as investigações, a própria mãe, Alexandra Dougokenski, confessou o crime do assassinado da criança, desaparecida desde 15 de maio, por medicação indevida, cujo nome não foi divulgado.
 
Alexandra foi ouvida pelas autoridades e teve prisão preventiva decretada pela Justiça. A informação da morte da criança pela própria mãe foi confirmada pela delegada Nadine Anflor. 

Em depoimento, ela afirmou que o filho desapareceu durante à noite. A genitora teria deixado o menino no quarto para dormir e, quando acordou, no dia seguinte, ele não estava mais no local. Conforme o relato, a cama estava desarrumada e a porta da casa, encostada. O local não tinha sinais de arrombamento

A mãe disse ainda que o menino usava uma camiseta do Grêmio, calça de moletom preta, chinelos e óculos de grau, vestimentas que não foram localizadas no quarto dele. 

A suspeita inicial era de que Rafael havia saído de casa durante a noite. A família procurou por ele na casa da avó e de amigos, mas não o encontrou. A Polícia Civil também tinha como hipótese que ele havia sido sequestrado
 
Alexandra viva com Rafael e seu outro filho, um adolescente de 16 anos, numa casa próxima ao local onde o corpo foi encontrado. Segundo ela, Rafael convivia com problemas emocionais e, por isso, teve a necessidade de tomar um medicamento mais forte. A polícia também vai investigar o teor da substância para nalisar a hipótese de envenenamento.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade