Publicidade

Estado de Minas GERAL

Comandante de militares que atiraram em família diz que catador disparou antes

A declaração do tenente, contudo, diverge do trabalho dos peritos encarregados do caso. Eles não encontraram nenhuma arma no local do crime


postado em 16/12/2019 20:33 / atualizado em 16/12/2019 20:53

O músico Evaldo Rosa dos Santos (foto: Reprodução )
O músico Evaldo Rosa dos Santos (foto: Reprodução )
O tenente do Exército, Ítalo Nunes, que comandava os militares que atiraram 257 vezes em direção ao carro onde estava o músico Evaldo Rosa dos Santos, em abril, acusou o catador Luciano Macedo, também morto na ação, de estar armado e praticando assaltos naquele dia. Ainda segundo Nunes, o catador teria atirado contra os soldados de sua tropa, que já estava "assustada" devido à ação de traficantes horas antes.

O militar fez a acusação em depoimento à Justiça Militar nesta segunda-feira, 16. A declaração do tenente, contudo, diverge do trabalho dos peritos encarregados do caso. Eles não encontraram nenhuma arma no local do crime. Confrontado com esses elementos, Nunes disse que a arma teria sido recolhida por outra pessoa e levada para a favela do Muquiço.

A família de Evaldo Rosa sempre declarou que o catador Luciano Macedo tentou ajudar o músico. Ele teria sido atingido ao tentar ajudar os ocupantes do veículo.

A ação que terminou com dois mortos aconteceu em sete de abril, quando Evaldo dirigia um veículo Siena em Guadalupe, na zona norte do Rio. Ele estava com familiares e voltava de um chá de bebê quando o carro foi atingido por 77 disparos de fuzil - a perícia apontou que 257 tiros foram efetuados. Ao todo, 12 militares que atuaram na ação respondem pela ação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade