Publicidade

Estado de Minas

'Ele achava que podia mudar pessoas', diz mulher de professor assassinado dentro de escola

Júlio César Barroso de Sousa, 41 anos, foi assassinado por aluno de 17 anos em Goiás


postado em 01/05/2019 16:04 / atualizado em 01/05/2019 16:23

O professor e coordenador Júlio César Barroso de Sousa, 41 anos, era casado e tinha dois filhos (foto: Arquivo pessoal)
O professor e coordenador Júlio César Barroso de Sousa, 41 anos, era casado e tinha dois filhos (foto: Arquivo pessoal)
Tristeza e revolta marcam o luto dos familiares do professor e coordenador Júlio César Barroso de Sousa, 41 anos, assassinado a tiros por um aluno de 17 anos, dentro do Colégio Estadual Céu Azul, em Valparaíso (GO). A mulher da vítima, a técnica em enfermagem Daiani Alves, 31, se emocionou ao comentar sobre a morte do marido. "Ele achava que podia mudar as pessoas", comentou se referindo à dedicação do companheiro aos alunos.   

Casados há 15 anos, o casal tem dois filhos, de 4 e 6 anos, respectivamente. Daiani descreve o marido como uma pessoa caseira, que gostava de trabalhar e bondosa com todos.  "Ele era um pai muito presente, que participava. Muito calmo e na dele e sempre ajudava a família", ressaltou. A mulher ainda afirmou que Júlio nunca teve problemas em nenhuma escola em que trabalhou e sempre foi querido.  
Daiani conta que recebeu a notícia quando estava indo ao trabalho, na W3 Norte. "Muitas pessoas começaram a me ligar e eu não conseguia entender o que estava acontecendo. Até agora, é muito difícil", lamentou. A técnica em enfermagem ainda frisa que o marido sempre foi muito ligado aos alunos e procurava ajudá-los.  
 
O velório de Júlio começa às 19h desta quarta-feira, na Capela Divino Espírito Santo, em Santa Maria. A cerimônia está prevista para durar a noite toda. O sepultamento dele está previsto para às 8h, no Cemitério de Brazlândia. 
Continua depois da publicidade

Adolescente apreendido 

O adolescente acusado de assassinar o professor foi apreendido no início da tarde desta quarta-feira (1°/5), no bairro Pedregal, na cidade goiana de Novo Gama. Ele foi encontrado por agentes do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) da Delegacia de Valparaíso. Ele fugiu logo após realizar os disparos contra Júlio, na tarde dessa terça-feira (30/4).  

Equipes das polícias Militar e Civil foram às ruas para procurar o adolescente momentos após o crime. A mãe dele compareceu à delegacia para prestar depoimento aos investigadores, que iniciaram negociação para que os familiares ajudassem na apreensão do jovem.  

Com a ajuda dos parentes e outros procedimentos na rua, os agentes conseguiram encontrar o suspeito em cima de uma árvore, dentro da casa de um familiar. Ele foi levado ao Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) de Valparaíso, onde permanecerá até audiência junto ao Ministério Público.  
O caso 
Uma discussão na sala entre o adolescente e uma professora teria motivado o crime. Durante a manhã, o suspeito teria ameaçado a educadora e Júlio, coordenador da unidade de ensino, interveio, explicando que iria transferir o aluno da instituição. Irritado, o jovem o ameaçou. Por volta das 15h, o acusado voltou à escola e, armado, realizou os tiros contra a vítima.  


Publicidade