Publicidade

Estado de Minas GERAL

Bancos fecham após explosões e moradores vivem rotina de viagens no interior


postado em 26/03/2019 21:13

Moradores de três cidades paulistas vivem a rotina de viajar a outros municípios em busca de serviços bancários, após agências serem destruídas por ataques de quadrilhas com explosivos. A situação, que afeta São Bento do Sapucaí e Boa Esperança do Sul, é mais grave em Sarutaiá, no sudoeste paulista.

Alegando falta de segurança após um ataque, o Banco do Brasil fechou em 2017 aquela que era a única agência da cidade de 3,6 mil habitantes. A prefeitura foi à Justiça para pedir a reabertura, obteve decisão favorável, mas o banco entrou com um recurso.

De acordo com o assessor de comunicação Cristiano Amorim, moradores da zona rural e pessoas mais idosas de Sarutaiá não conseguem resolver o que precisam pelo celular ou no banco postal dos Correios.

"A opção que sobra é viajar para cidades vizinhas, como Fartura e Pirajú, mas é quase um dia que se perde", ele conta. Segundo ele, até o comércio foi afetado. "As pessoas sacam o dinheiro nas agências de outra cidade e fazem as compras lá mesmo, prejudicando o comércio daqui."

A agência foi atacada com explosivos em outubro de 2014 e não reabriu. Cansado de esperar, o dono colocou o imóvel à venda.

Em 2017, quando o banco anunciou o fechamento da agência, o prefeito Isnar Freschi Soares (PTB) entrou na Justiça com ação para que o serviço fosse mantido. Freschi alegou que a agência funcionava havia 40 anos e era essencial para o município. Em junho de 2018, o juiz Acauã Muller Tirapani, de Piraju, deu prazo de 60 dias para a reabertura, sob pena de multa diária. O BB recorreu e obteve efeito suspensivo da decisão. O julgamento do recurso não tem data prevista.

Em São Bento do Sapucaí, agências do Santander, Bradesco e BB foram atacadas no dia 11 de fevereiro último. As duas primeiras reabriram, mas a do BB continua fechada. Os usuários, entre os 10,8 mil moradores, têm à disposição um posto bancário no interior do Fórum, mas com funcionamento limitado.

"É um transtorno, pois só funciona após a abertura do Fórum para o público, às 12h30. Semana passada, precisei de dinheiro e cheguei às 11, mas tive de esperar uma hora e meia. Pior que havia uma fila imensa em frente ao Fórum, debaixo de sol. O posto só atendia uma pessoa por vez", conta o chefe de gabinete da prefeitura, Hermes Nery.

Segundo ele, o prefeito já se reuniu com o gerente do banco público e ofereceu um espaço para a agência, como havia feito para os outros bancos, mas não houve decisão. Ele lembra que, em setembro de 2017, as agências do Banco do Brasil e do Santander já haviam sido atacadas com explosivos. "A gente entende que o banco se sente inseguro, pois há uma sensação de impotência total frente a essas quadrilhas, mas é um serviço necessário. Estamos instalando câmeras nas ruas, em convênio com a Secretaria da Segurança Pública do Estado."

No último sábado, 23, uma quadrilha fortemente armada atacou as agências do Bradesco, Santander e Caixa Econômica Federal em Boa Esperança do Sul, de 14,5 mil habitantes, também no interior. Os prédios ficaram destruídos e os bancos não abriram na segunda-feira, 25.

No ano passado, o Bradesco e o Santander já haviam sido atacados. Nesta terça, 26, os bancos privados voltaram a funcionar, mas faltavam caixas eletrônicos. A Caixa informou que os clientes contam com atendimento numa lotérica e no correspondente Caixa Aqui, além dos meios digitais.

Oneroso

O Banco do Brasil informou que os fornecedores foram acionados para que a recomposição da agência de São Bento do Sapucaí ocorra no menor prazo possível. "Vale ressaltar que a recomposição estrutural de agências danificadas, com a segurança necessária ao seu funcionamento, é um processo oneroso e sujeito à legislação específica voltada para empresas estatais. A previsão é de que a unidade esteja funcionando normalmente em junho deste ano", disse em nota.

"Já o atendimento de Sarutaiá permanece fechado e não há previsão de abertura, em razão de decisão judicial favorável ao banco nesse processo", completou. Ainda segundo o BB, no sentido de oferecer atendimento complementar, os clientes contam com correspondentes bancários, além das soluções digitais de atendimento remoto. Em dois anos, foram registrados 202 ataques com explosivos a bancos no Estado de São Paulo. Foram 100 ataques em 2017 e 102 em 2018, segundo dados da Secretaria da Segurança do Estado. Os alvos foram caixas eletrônicos ou os cofres das agências, mas, na maioria dos casos, os prédios ficam destruídos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade