Publicidade

Estado de Minas

"Somos a favor do porte de livros", defendia a professora morta no massacre em Suzano

De acordo com Marilena Ferreira Umezu, em post no Facebook, em janeiro deste ano, "a melhor arma para salvar o cidadão é a educação"


postado em 14/03/2019 09:58 / atualizado em 14/03/2019 11:05

Marilena Ferreira Umezu(foto: Reprodução/Facebook)
Marilena Ferreira Umezu (foto: Reprodução/Facebook)

No post, o registro da convicção da professora Marilena Ferreira Umezu(foto: Reprodução/Facebook)
No post, o registro da convicção da professora Marilena Ferreira Umezu (foto: Reprodução/Facebook)
Marilena Ferreira Umezu, 59 anos, a professora  de filosofia e coordenadora pedagógica da Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, em São Paulo, deixou nos corações e mentes de seus alunos, conforme inúmeros relatos, o amor aos livros e ao conhecimento.

Em sua página no Facebook, em 19 de janeiro passado, houve o registro do que ela defendia.  "Somos a favor do porte de livros, pois a melhor arma para salvar o cidadão é a educação”.

Na noite dessa quarta-feira (13), no entanto, dia do massacre, do qual ela foi a primeira a ser baleada e morta,  o perfil dela passou a não ser mais vizulaizado pelo público. Apesar disso, esse post  circula na internet.

Marilena era descrita por seus alunos  como uma das professoras mais queridas. Também conforme esses depoimentos, esse reconhecimento, aliado à boa convivência com os colegas e seu conhecimento profissional, a promoveu coordenadora pedagógica da escola onde ela acabou sendo morta.

Mineira de Ubá

A prefeitura  de Ubá, município da Zona da Mata onde Marilene nasceu, confirmou na noite dessa quarta-feira (13), que a mãe e irmãos da professora, que  moram na cidade, seriam levados, ainda ontem, à cidade paulista por uma van da prefeitura. O corpo de Marilena é velado, na manhã desta quinta-feira, no município paulistano, onde também será enterrado hoje.

A prefeitura de Ubá divulgou nota, na noite dessa quarta-feira (13), assinada pelo prefeito Edson Teixeira Filho:

"A comunidade ubaense se associa à dor de todos os que, num misto de perplexidade e solidariedade humana, foram atingidos direta e indiretamente pela tragédia ocorrida na manhã de hoje na Escola Pública Raul Brasil, em Suzano-SP.

Ainda abalados com o impacto desse triste episódio, chega-nos a notícia que Marilena Ferreira Vieira Umezu, coordenadora pedagógica da escola e vítima no atentado, era oriunda de nossa cidade, onde ainda residem parentes próximos seus, a quem a Prefeitura se coloca à disposição para a ajuda necessária nesse momento de tamanha dor."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade