Publicidade

Estado de Minas

Filho de Bolsonaro namorou filha de acusado de matar Marielle, diz delegado

Para Giniton Lages, porém, fato "não é importante para esse momento". Dupla acusada de executar a vereadora foi presa nesta terça-feira


postado em 12/03/2019 16:47

Ronnie Lessa, apontado como autor dos disparos contra Marielle, e Élcio Queiroz, suspeito de dirigir o carro(foto: Divulgação/PCERJ)
Ronnie Lessa, apontado como autor dos disparos contra Marielle, e Élcio Queiroz, suspeito de dirigir o carro (foto: Divulgação/PCERJ)
O delegado Giniton Lages, titular da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro e um dos responsáveis pelas investigações da execução de Marielle Franco, confirmou nesta terça-feira (12/3) que a filha do policial militar reformado Ronie Lessa — preso sob acusação de ser um dos autores do homicídio — namorou um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro.

Durante entrevista coletiva, o delegado disse que, apesar de Ronie morar no mesmo condomínio em que o presidente tem uma casa, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, não há nenhuma relação direta entre o crime e a família Bolsonaro. "Não detectamos isso. Isso, para nós, não está na motivação. Não é importante para este momento", afirmou.

No entanto, ao ser questionado por um jornalista sobre o suposto namoro da filha de Ronie com "um dos filhos mais novos" de Bolsonaro, Lages confirmou, mas enfatizou que, até o momento, ele não tem relação alguma com o crime. "Isso [o namoro] tem. Mas isso, para nós hoje, não importou na motivação delitiva. Isso vai ser enfrentado no momento oportuno. Não é importante para esse momento", acrescentou o delegado, sem dizer, contudo, qual dos filhos do presidente teria namorado a filha do suspeito.

Fotos

Além de Ronie, que tem uma casa no mesmo condomínio do presidente, a polícia também prendeu nesta quarta o ex-Policial Militar Elcio Vieira de Queiroz, que foi expulso da corporação. Logo após a prisão, começou a circular nas redes uma foto de Queiroz ao lado de Bolsonaro em 4 de outubro do ano passado, três dias antes do primeiro turno das eleições.

O presidente se manifestou sobre o caso, dizendo esperar que "a apuração tenha chegado, de fato, a estes que foram os executores e saber quem mandou matar". Porém, emendou com um comentário sobre a facada que recebeu em setembro do ano passado, em Juiz de Fora (MG): "Também estou interessado em saber quem mandou me matar". 

Prisões

Uma operação conjunta do Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), e da Polícia Civil do Rio de Janeiro, prendeu, na madrugada desta terça-feira (12/3), dois suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes no dia 14 de março de 2018. Ronie Lessa, policial militar reformado, e Elcio Vieira de Queiroz, expulso da Polícia Militar, foram denunciados por homicídio qualificado e por tentativa de homicídio de Fernanda Chaves - que também estava no veículo atacado.

Segundo o Ministério Público, as prisões ocorreram por volta das 4h durante a Operação Lume, realizada na residência dos suspeitos. Ronnie mora no mesmo condomínio que o presidente Jair Bolsonaro tem residência, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Já Élcio foi detido numa casa no Engenho de Dentro, na Zona Norte.

Os dois foram denunciados depois de análises de diversas provas. Lessa teria sido o autor dos disparos de arma de fogo e Elcio, o condutor do veículo Cobalt utilizado na execução. O MP informou que o crime foi planejado de forma meticulosa durante os três meses que antecederam os assassinatos. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade