Publicidade

Estado de Minas GERAL

'Espaços de confinamento São a realidade de muitas mulheres', alerta Raquel


postado em 09/03/2019 10:27

A procuradora-geral Raquel Dodge: "Precisamos que as leis que proíbam discriminação, que vedem diferenciação e que garantam direitos para as mulheres sejam efetivamente cumpridas. As barreiras invisíveis nas instituições, na vida pública e na vida privada precisam ser ultrapassadas."

Raquel fez a declaração nesta sexta, 8, em evento na sede da Procuradoria-Geral, em homenagem ao Dia Internacional da Mulher. As informações foram divulgadas pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria.

Ela ressaltou que quando há mudanças nos diálogos no âmbito pessoal e doméstico, o diálogo dentro das instituições também muda.

"É possível que ocupemos os espaços que quisermos e desejarmos ocupar para que sejamos o que queremos ser, e não o que nos impõem, o que nos restringem", disse.

E alertou. "Espaços de confinamento são a realidade de muitas mulheres na vida privada e na vida pública no nosso país."

A PGR destacou que as políticas públicas 'devem ser inclusivas para que, de fato, exista uma sociedade fraterna, justa e solidária, como previsto na Constituição'.
A deputada federal Joenia Wapixana, a primeira mulher indígena que conquistou uma vaga na Câmara dos Deputados, falou sobre a baixa representatividade feminina no Legislativo.

A parlamentar destacou que apenas 15% da Casa é ocupada por mulheres, sendo que o parlamento de outros 150 países têm maior representação feminina.

"Não é fácil nascer e ser mulher no Brasil. Temos de provar ser capazes, ter habilidade, competência na nossa profissão, mostrar que a gente não perde a nossa identidade, no meu caso indígena, mostrar que eu posso continuar exercendo minha profissão, usando minha cidadania sem perder minhas origens indígenas", destacou Joenia Wapixana.

A deputada reforçou que 'as mulheres, com muita garra, conquistaram muitos direitos em busca da equidade e que, exatamente por isso, não pode haver retrocessos'.
As representantes do Conselho Nacional do Ministério Público e do Conselho Nacional de Justiça falaram sobre a carreira das procuradoras no âmbito das unidades do Ministério Público Federal e dos Ministérios Públicos estaduais.

Elas reconheceram que 'a pauta de equidade de gênero está cada vez mais presente nas instituições, o que é extremamente relevante para que as mulheres da carreira possam ter espaço para falar e serem ouvidas'.

A procuradora regional da República da 4.ª Região Carmen Elisa Hessel destacou dois desafios a serem vencidos em relação à representatividade feminina no âmbito dos MPs: questões raciais aliadas ao gênero e mais mulheres nos cargos de chefia e nos órgãos colegiados.

Sobre a importância da presença de mulheres nas carreiras do Ministério Público, a promotora Maria Gabriela Mansur assinalou que 'o olhar feminino é relevante nos casos, por exemplo, de violência doméstica e abusos sexuais'.

Ela pontuou que 'a representatividade na carreira deve levar em consideração aspectos quantitativos e, principalmente, qualitativos'. A promotora ressaltou 'a importância do incentivo às mulheres de ocuparem postos de liderança e sugeriu a instituição de um tipo de premiação, um reconhecimento formal às instituições que promovam e estimulem o empoderamento feminino'.

"O importante é mostrar para a mulher que ela é capaz de estar em todas as discussões, falar sobre todas as matérias e ocupar todos os espaços públicos e privados. As mulheres não devem ser isoladas para lidar com temas específicos", reforçou Maria Gabriela Mansur.

A promotora destacou que é importante também incluir os homens nas discussões relacionadas à equidade de gênero.

Presidência da República - Na cerimônia promovida pela Presidência da República a PGR traçou um breve histórico sobre os direitos conquistados, ao longos dos anos, pelas mulheres brasileiras e reforçou que o empoderamento feminino estimula fraternidade e fortalece a sociedade inteira.

"Ajuda a criar uma comunidade que viva dignamente e respeite cada um de seus integrantes como iguais entre si", salientou Raquel.

Ela ponderou que a reivindicação das mulheres é por igualdade de tratamento e de oportunidades, e também por vedação a qualquer tipo de discriminação.

"A pretensão de igualdade significa convivência harmônica com os homens, sem competição, como expressão do desejo de sermos reconhecidas como iguais em direitos e dignidade."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade