Publicidade

Estado de Minas GERAL

Mulher de João de Deus aparece e pede orações para que 'verdade prevaleça'


postado em 15/12/2018 12:04

"Que a verdade prevaleça", afirmou Ana Keila Teixeira, mulher de João de Deus, durante a festa de distribuição de brinquedos, promovida pela família, na manhã deste sábado, 15. Trajando uma camiseta com a foto de seu marido e com os dizeres "Obrigada João de Deus", ela pediu orações aos presentes. "Apesar das turbulências, peço que todos continuem rezando para que a verdade prevaleça".

Ana Keila não deu entrevistas. João de Deus, médium que ficou conhecido internacionalmente, está com a prisão preventiva decretada, acusado de abusar sexualmente de mulheres. Seu advogado, Alberto Zacharias Toron, afirmou que ele se entregaria neste sábado.

O horário e local não foram informados. De acordo com a Delegacia Geral de Goiás, responsável por conduzir as investigações, se João de Deus não se apresentar até 14 horas, será considerado foragido.

A festa de distribuição de brinquedos é realizada todos os anos. É um dos acontecimentos de Abadiânia, cidade a 112 quilômetros de Brasília, patrocinados pelo médium. Um toldo é estendido em frente da casa do médium, brinquedos são dispostos na rua. Depois do almoço, há distribuição de brinquedos.

Todos os anos, cerca de 2 mil pessoas participam do evento. Este ano, no entanto, a movimentação está muito abaixo da média. No fim da manhã de sábado, cerca de 200 pessoas estavam no local, a maioria crianças. Voluntários da Casa Dom Inácio de Loyola, onde o médium presta atendimento, estão presentes. O clima, entretanto, está longe de ser de celebração.

Prisão

A Justiça de Goiás decretou a prisão preventiva de João de Deus na sexta-feira, 15, após pedido do Ministério Público (MP) que reuniu ao menos 335 denúncias feitas por mulheres de 14 Estados e seis países.

Na sexta, a defesa de João de Deus havia informado que ele iria se entregar depois de acertar as "condições". A justificativa era que o médium teria problemas de saúde e também estaria com a segurança em risco, caso dividisse cela com outros detentos.

Após o decreto da Justiça, policiais fizeram buscas em mais de 20 locais atrás do médium - sem sucesso. Desde quarta-feira, 12, quando apareceu na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, ele só fez um pronunciamento de poucos minutos para declarar sua inocência, e não foi mais visto.

Para pedir a prisão de João de Deus, o MP justificou que, caso permanecesse solto, o médium poderia ameaçar mulheres que dizem ter sido abusadas sexualmente ou, ainda, fazer novas vítimas. As investigações tiveram início na segunda-feira, dois dias após a TV Globo, no programa Conversa com Bial, apresentar depoimentos de mulheres que relataram ter sido abusadas sexualmente.

A polícia também recebe depoimentos de supostas vítimas. Só em Abadiânia, três inquéritos foram instaurados nos últimos dias. Outros casos anteriores chegaram a ser arquivados por falta de provas, mas a recomendação, agora, é que sejam reabertos.

A Promotoria calcula que, se comprovadas as denúncias, João de Deus pode ter uma sentença superior a 150 anos de prisão. Os relatos indicam três crimes: estupro, estupro de vulnerável e violação sexual mediante fraude.


Publicidade