Publicidade

Estado de Minas GERAL

Adolescente é achada morta com cadarço enrolado no pescoço no interior de SP

Rayane Paulino Alves, de 16 anos, estava desaparecida desde o dia 21, depois de sair de uma festa, em Mogi das Cruzes


postado em 29/10/2018 14:23 / atualizado em 29/10/2018 16:18

Novos exames serão realizados no corpo para levantar mais detalhes sobre a morte da adolescente e se houve violência sexual(foto: Reprodução/Facebook )
Novos exames serão realizados no corpo para levantar mais detalhes sobre a morte da adolescente e se houve violência sexual (foto: Reprodução/Facebook )

Familiares reconheceram nesta segunda-feira, o corpo de Rayane Paulino Alves, de 16 anos, que estava desaparecida desde o dia 21 deste mês após sair de uma festa em Mogi das Cruzes (SP). O corpo da adolescente foi encontrado neste domingo, em Guararema (SP), sendo constatada morte por asfixia. Um cadarço enrolado no seu pescoço dá sinais de como ela teria morrido.

A mãe e o pai da garota foram nesta manhã até o Instituto Médico Legal (IML) de Mogi das Cruzes onde confirmaram se tratar da filha. O corpo foi encontrado já em estado de decomposição em uma mata na lateral da avenida Francisco Lerário, no bairro do Cambiri, em Guararema.

Novos exames serão realizados no corpo para levantar mais detalhes sobre a morte e se houve violência sexual. Rayane estava em uma festa num sítio com amigas quando sumiu, após dizer que estava esperando seu pai para voltar para casa. Porém, ninguém viu com quem ela deixou o local, e desde então teve início uma grande busca na região.

Cartazes foram espalhados pela família, policiais e bombeiros usaram cães farejadores e um helicóptero em busca de pistas. O celular dela havia sido localizado na Rodovia Presidente Dutra, em Jacareí (SP).

A morte repercutiu e pelas redes sociais muitos lamentaram o ocorrido. "Fico muito triste mesmo porque esperava que iriam encontrar ela com vida, meus sentimentos a todos os familiares", postou Kauê Mandrak.

Apuração

A Polícia Civil, através do Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) de Mogi das Cruzes, apura o caso e evita dar detalhes para não atrapalhar as investigações. A adolescente não tinha namorado e policiais tentam descobrir com quem ela saiu da festa. Para isso, pessoas que estiveram no evento estão sendo ouvidas em busca de informações.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade