Publicidade

Estado de Minas GERAL

Fogo no Museu pode ter sido causado por balão ou curto-circuito, diz ministro

"O Museu Nacional já estava fechado (na hora do fogo), a brigada de incêndio não estava mais lá e havia apenas quatro vigias', explicou


postado em 03/09/2018 12:10 / atualizado em 03/09/2018 12:34

(foto: AFP / Mauro Pimentel )
(foto: AFP / Mauro Pimentel )

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, afirmou que o incêndio de grandes proporções que destruiu o Museu Nacional, na zona norte do Rio, na noite deste domingo, 2, é uma "tragédia incomensurável". Ele afirmou que há duas possibilidades sobre as causas do incêndio em investigação: o fogo pode ter sido causado por um balão ou por um curto-circuito.

Ver galeria . 5 Fotos Marcelo Sayão/EFE/direitos reservados/Agência Brasil
(foto: Marcelo Sayão/EFE/direitos reservados/Agência Brasil )


"Parece que o fogo começou por cima, no alto, e foi descendo. O Museu Nacional já estava fechado (na hora do fogo), a brigada de incêndio não estava mais lá e havia apenas quatro vigias. Como o fogo começou em cima e na parte de trás, os vigias demoraram para perceber o incêndio. Quando perceberam, já não era mais possível que fizessem alguma coisa", lamentou Leitão na Rádio Eldorado.

Vídeo de visita mediada ao museu revela peças consumidas pelo incêndio:



O ministro afirmou ainda ser fundamental uma apuração rigorosa em relação às causas do incêndio. Segundo Leitão, parte do acervo que estava fora do Palácio foi preservada. Técnicos estão estimando o que foi possível recuperar.

Ver galeria . 28 Fotos Esqueletos de elefante e girafa que já não estavam em exposição por falta de recursos. Twitter/Reprodução/Thaís Mayumi
Esqueletos de elefante e girafa que já não estavam em exposição por falta de recursos. (foto: Twitter/Reprodução/Thaís Mayumi )


"É preciso dizer que uma parte do Museu que fica no Horto como a botânica, biblioteca central que tem cerca de 500 mil volumes, parte da coleção de arqueologia e uma parte de coleção de vertebrados foram preservados", explicou Leitão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade