Publicidade

Estado de Minas

Brasileiros estão mais desconfiados das instituições

Pesquisa realizada pelo Ibope aponta também descrença da população com as próprias pessoas


postado em 16/08/2018 20:23 / atualizado em 16/08/2018 21:28

Instituição presidente é a que mais desperta desconfiança na população(foto: Cadu Gomes/CB/D.A Press )
Instituição presidente é a que mais desperta desconfiança na população (foto: Cadu Gomes/CB/D.A Press )
O Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) divulgou uma pesquisa que mede o Índice de Confiança Social do brasileiro (ICS). Segundo os dados, que são levantados a cada ano desde 2009, a população nunca esteve tão descrente com as instituições como atualmente.

Entre as instituições presentes na pesquisa estão tanto as públicas, como Corpo de Bombeiros, Polícias e Congresso, quanto aquelas não controladas pelo governo, como igrejas, meios de comunicação, empresas, bancos e sindicatos. Todas as instituições apresentaram quedas de confiança.

De acordo com o estudo, o ceticismo da população brasileira com a instituição presidente é o mais alarmante. Em uma escala de 0 a 100, atinge 13 pontos, número nunca registrado desde que a pesquisa é realizada.

Por outro lado, o Corpo de Bombeiros foi o que recebeu o maior índice, 82. Mesmo assim, a instituição obteve uma queda em comparação com o ano passado, quando ficou com 86.

De acordo com o doutor em Ciência Política e professor da PUC Minas Malco Camargos, a queda de confiança da população está diretamente ligada à crise política que o país vive. “Toda a crise envolvendo os nosso políticos, membros do Executivo e Legislativo, faz com que as instituições como um todo sejam mais mal avaliadas ou menos percebidos como célebres e transparentes por boa parte dos brasileiros.”

Além da coisa pública

A pesquisa aponta que o descontentamento da sociedade vai além das esferas públicas, atingindo instituições próximas a grande parte da população e, até mesmo, a convivência entre as pessoas.

As igrejas, apesar de representarem a segunda instituição que transmite maior segurança entre os brasileiros, ficaram com 77 pontos, seis a menos em relação a 2017.

Outro ponto a se destacar é o índice de confiança entre as próprias pessoas. Conforme a pesquisa, a crença nas pessoas da própria família oscilou negativamente em três pontos, em comparação com o ano passado; 85 para 82. Amigos, vizinhos e brasileiros, de um modo geral, também obtiveram quedas.

Para ter acesso a todos os dados da pesquisa, clique aqui


*Estagiário sob supervisão da editora Liliane Corrêa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade