Publicidade

Estado de Minas GERAL

Ex-marido é principal suspeito de mandar executar corretora no Rio


postado em 16/08/2018 18:08

A Polícia Civil do Rio concluiu que a corretora de imóveis Karina Garofalo Pereira, de 44 anos, foi morta nesta quarta-feira, 15, a mando do ex-marido, Pedro Paulo Barros Pereira Júnior, de 47 anos. Ela havia acabado de sair do prédio em que morava, na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio), por volta das 14h, quando um homem encapuzado surgiu armado, disparou contra a mulher e fugiu. Um filho de 13 anos acompanhava a mãe e testemunhou o crime, praticado, segundo a polícia, por um primo do ex-marido.

Os dois tiveram a prisão temporária decretada pela Justiça nesta quinta-feira, 16, e até as 17h15 não haviam sido localizados. A Delegacia de Homicídios do Rio elucidou o crime a partir de imagens de câmeras de segurança das imediações de onde o crime foi cometido e de um shopping para onde os acusados foram após a morte da mulher.

Segundo a polícia, Pereira Júnior e a mulher, que são pais do adolescente de 13 anos, tiveram uma separação litigiosa e disputavam na Justiça um patrimônio de R$ 3 milhões. Além disso, conforme a investigação, o ex-marido tinha ciúmes de Karina, que estava namorando.

Pereira Júnior combinou o crime com o primo, Paulo Maurício Barros Pereira, e juntos aguardaram a vítima sair do prédio em que morava, na avenida Malibu. Segundo a polícia, Pereira se aproximou de Karina a pé, encapuzado. Atirou quatro vezes, entrou em um Renault Logan preto e fugiu. A mulher morreu na hora. A cena foi registrada por câmeras de segurança. A arma, com um silenciador, foi abandonada dentro de uma sacola, em um terreno baldio próximo do local do crime, e localizada na manhã desta quinta-feira.

O autor do crime tirou o capuz e seguiu, no mesmo Logan, para um shopping na Barra da Tijuca. O ex-marido da vítima acompanhou o primo, de moto. Ambos foram filmados chegando ao centro de compras. Depois disso, o carro foi abandonado em frente ao condomínio onde mora a ex-mulher do rapaz que Karina estava namorando. Foi uma tentativa - frustrada - de enganar a polícia envolvendo essa ex-mulher no crime.

Segundo a polícia, Pereira Júnior e a mulher, que são pais do adolescente de 13 anos, tiveram uma separação litigiosa e disputavam na Justiça um patrimônio de R$ 3 milhões. Além disso, conforme a investigação, o ex-marido tinha ciúmes de Karina, que estava namorando.

Pereira Júnior combinou o crime com o primo, Paulo Maurício Barros Pereira, e juntos aguardaram a vítima sair do prédio em que morava, na avenida Malibu. Segundo a polícia, Pereira se aproximou de Karina a pé, encapuzado. Atirou quatro vezes, entrou em um Renault Logan preto e fugiu. A mulher morreu na hora. A cena foi registrada por câmeras de segurança. A arma, com um silenciador, foi abandonada dentro de uma sacola, em um terreno baldio próximo do local do crime, e localizada na manhã desta quinta-feira.

O autor do crime tirou o capuz e seguiu, no mesmo Logan, para um shopping na Barra da Tijuca. O ex-marido da vítima acompanhou o primo, de moto. Ambos foram filmados chegando ao centro de compras. Depois disso, o carro foi abandonado em frente ao condomínio onde mora a ex-mulher do rapaz que Karina estava namorando. Foi uma tentativa - frustrada - de enganar a polícia envolvendo essa ex-mulher no crime.

A Polícia Civil ainda investiga se houve a participação de uma terceira pessoa, mas ainda na madrugada de quinta-feira pediu a prisão do ex-marido e de seu primo, por já ter certeza da participação deles. O Portal dos Procurados divulgou cartaz oferecendo recompensa de R$ 1 mil por informações que permitam a prisão deles.

O autor dos disparos mora em Volta Redonda, município do sul fluminense, e já foi acusado de um outro homicídio. A reportagem não conseguiu localizar representantes dos dois procurados para que se pronunciem sobre a acusação. Além do adolescente que testemunhou o crime, a vítima deixou ainda uma filha de 18 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade