Publicidade

Estado de Minas

Justiça bloqueia bens dos acusados de desviar dinheiro de igrejas do DF

Medida visa imóveis adquiridos pelos integrantes do esquema desbaratado na Operação Caifás


postado em 13/04/2018 16:51 / atualizado em 13/04/2018 17:54

O bispo José Ronaldo Ribeiro, um dos acusados de integrar o esquema fraudulento(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
O bispo José Ronaldo Ribeiro, um dos acusados de integrar o esquema fraudulento (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
A Justiça de Goiás determinou o bloqueio dos bens dos membros da Igreja Católica e empresários presos na Operação Caifás, que desarticulou um esquema milionário de desvio de dinheiro de igrejas do Entorno do Distrito Federal. O magistrado Fernando Oliveira Samuel expediu o ofício determinando as buscas e o bloqueio de imóveis adquiridos pelos suspeitos atendendo pedido do Ministério Público de Goiás (MPGO). O objetivo é facilitar um eventual ressarcimento aos prejudicados pelo esquema fraudulento. O sigilo fiscal dos acusados ainda não foi quebrado.

Os documentos foram expedidos para os cartórios das cidades de Posse (GO) e Formosa (GO). Entretanto, as buscas podem se estender a outros estados. O Correio teve acesso a documentos que indicam que os religiosos têm propriedades além do território goiano. O monsenhor Moacyr Santana, por exemplo, teria dois imóveis na cidade de Santo Anastácio, no interior de São Paulo.
 
Na pequena cidade de 20 mil habitantes, Moacyr teria comprado o primeiro imóvel de 240m² em 2004, a um preço de R$ 3,4 mil. Na época, ele era pároco no município de Posse (GO). Em fevereiro de 2010, comprou outra casa no mesmo conjunto habitacional ao preço de R$ 16 mil. Na ocasião, Moacyr já era padre em Planaltina de Goiás.
 
A reportagem entrou em contato com o MPGO para saber se os imóveis em nome de Moacyr no interior de São Paulo estão bloqueados. Um dos promotores à frente da investigação, Douglas Chegury comunicou que, a princípio, as buscas estavam restritas a Goiás, mas que, a partir da informação levantada pelo Correio, as buscas podem se estender para outras unidades da Federação. 
 
Envolvidos permanecem presos 
 
São alvo da decisão judicial sobre bloqueio de bens: o Monsenhor Epitácio Cardozo Pereira; o bispo José Ronaldo Ribeiro; os padres Moacyr Santana, Mário Vieira de Brito e Waldson José de Melo; e os empresários Pedro Henrique Costa Augusto e Antônio Rubens Ferreira; e o secretário da Cúria, Guilherme Frederico Guimarães.

Guilherme é o único que responde ao processo em liberdade, porque está colaborando com a Justiça. Os demais continuam presos preventivamente, embora suas defesas já tenham impetrado inúmeros habeas corpus em distintas instâncias judiciais. De acordo com o cartório de Formosa, apenas o monsenhor Epitácio Cardozo tem bens imóveis registramos na cidade. 
 

Relembre o caso

 
O bispo dom José Ronaldo Ribeiro, quatro padres e o vigário-geral de Formosa deram um prejuízo superior a R$ 2 milhões aos cofres da Igreja Católica em Formosa (GO), segundo o Ministério Público de Goiás (MPGO). Dinheiro desviado de dízimos, doações, taxas de celebrações e usado na compra de uma fazenda de gado e uma casa lotérica, entre outros bens, de acordo com as denúncias de fiéis e de padres que não faziam parte do esquema.
 
Policiais civis e militares prenderam o bisco, cinco padres, dois empresários e um funcionário da Cúria, na última segunda-feira, durante a Operação Caifás. Na casa de um monsenhor, apreenderam dinheiro escondido no fundo falso do guarda-roupa, além de dezenas de relógios e aparelhos eletrônicos e importados.
 
As investigações começaram em 2015. No ano passado, fiéis denunciaram ao MPGO que as despesas da casa episcopal de Formosa, onde o bispo mora, passaram de R$ 5 mil para R$ 35 mil. Todos negam o envolvimento no caso. Na sexta-feira, a Justiça converteu a prisão temporária em preventiva, que não tem prazo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade