Publicidade

Estado de Minas

Ex-médico Roger Abdelmassih perde direito à prisão domiciliar

De acordo com a decisão de juíza Sueli Zeraik Armani, da 1ª Vara de Execuções Criminais, o motivo pela revogação do direito é a falta de tornozeleira eletrônica


postado em 12/08/2017 07:49 / atualizado em 12/08/2017 10:41

O ex-médico Roger Abdelmassih, de 73 anos, teve o direito à prisão domiciliar anulado pela Justiça na sexta-feira, 11. Com isso, logo depois que tiver alta do Hospital Albert Einstein, onde está internado tratando uma infecção, ele será conduzido a uma ala hospitalar do sistema penitenciário estadual.

De acordo com a decisão de juíza Sueli Zeraik Armani, da 1ª Vara de Execuções Criminais, o motivo pela revogação do direito é a falta de tornozeleira eletrônica, que impossibilita a permanência do médico em um hospital particular. A juíza também determinou que, assim que tiver condições, ele será transferido para o Hospital do Sistema Penitenciário, no bairro do Carandiru, em São Paulo.

Abdelmassih estava preso em Taubaté, no interior de São Paulo, até que um erro quanto ao recurso manejado pelo Ministério Público levou o Superior Tribunal de Justiça (STJ) a restabelecer a decisão que concedeu regime domiciliar.

Em maio, o ex-médico chegou a ser internado em um hospital da cidade com broncopneumonia. Os advogados do condenado vinham tentando conseguir perdão judicial para o preso desde o ano passado.

O indulto humanitário pode ser concedido a presos que têm doença grave permanente, com limitação severa nas atividades, exigindo cuidados contínuos, que não podem ser dados na prisão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade